quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Ser popstar...

deixa as pessoas meio loucas, você não acha?

Nada demais e não pretendo gastar muitas linhas com isso. Mas você já reparou que, quando o artista se consagra, ele cria manias loucas? Digo isso por conta de vários exemplos. Dizem que o Michael Jackson dormia numa câmara hiperbárica para se manter jovem, entre outras manias malucas que ele tinha.

Mas o assunto que me motivou escrever sobre isso foi ouvir hoje de manhã no rádio que a Mariah Carey pede 80 toalhas brancas no camarim dela, durantes seus shows. Aí parei pra pensar: porra, 80 toalhas brancas??? Que ela vai fazer com tanta toalha? Cheguei à conclusão que os artistas, quando ficam famosos, tem a necessidade de fazer e gostar de excentricidades para serem OS diferentes, cheios de status. Porque exigir 80 toalhas brancas no camarim é pura frescura e ostentar status, só pode ser isso. Acho que esse povo passou muita dificuldade na vida, galgou muito pra chegar onde está, fez muito teste de sofá por aí, enfim, ralou que só a porra pra chegar onde estão e aí perdem a noção (do ridículo) e pedem as coisas mais loucas do mundo. A maioria dos pedintes malucos são o povo da black music ou roqueiros loucos pegadores de groupies. Por conta disso, fiquei curiosa e pesquisei as manias de camarim mais esquisitas de artistas e achei isso aqui:

Foo Fighters: exigem 300 camisinhas no camarim, sendo que a equipe da banda tem apenas 12 pessoas, além de montes de pares de meias brancas;

Sandy e Junior: pedem que tenha um sofá branco grande;

Red Hot Chilli Peppers: cuecas samba canção pretas e decoração com móveis da Indonésia;

Rush: tomadas de 110 volts em todas as paredes do banheiro;

Cat Power: uma foto do Bob Dylan autografada para tocar no TIM Festival de 2007, sob possibilidade de não participar caso a exigência não fosse atendida (resta saber se ela foi atendida mesmo);

Lenny Kravitz: 450 kg de gelo (?);

Lulu Santos, o chato: exigiu suco de frutas feito na hora em vários shows, peste do diacho;

Prince: foi quem lançou a moda de pedir 357 mil toalhas no camarim. No Rock in Rio 2 ele pediu 200 toalhas. Usou 50. Mas é um fela da puta, né?

Fora quando aparece um cão por dentro do mato que inventa de pedir chá descafeinado (como a Alanis Morissette), frutas muito específicas, águas importadas, cervejas que só devem vender na Finlândia... ai, só de pensar em trabalhar com gente assim, minha beleza cansa.


Tem coisas que a gente tem ler e reler, de tão absurdas que são... até agora não achei explicação para as 300 camisinhas (será que é para encher de ar e decorar o camarim?) ou porque o sofá tem que ser branco... que frescura! Tenho quase certeza que é só pra se aparecer mesmo, pra mídia divulgar o show que vai ter e talz... vai entender...

PS: gastei muito mais linhas do que pretendia... eu nunca cumpro essa promessa!

Hoje eu assisti

Ou melhor, de novo, ontem eu assisti.




Munique: acabei assistindo na Globo mesmo. Sempre quis assistir esse filme, mas pelos mesmos motivos anteriores nunca dava certo. Como sou apaixonada por história, queria ver esse filme para saber mais sobre o episódio ocorrido nos Jogos Olímpicos de Munique. Pra quem não sabe, nos jogos um grupo de árabes sequestou parte da delegação de atletas de Israel, assassinando-os, em forma de protesto. Nisso, o filme tem a história de que contratam um grupo de judeus para encontrar e matar os árabes envolvidos no sequestro. Pelo que entendi, essa encomenda aconteceu de verdade. Só que o desenrolar do filme é meio viagem na maionese, uma mistura de Missão Impossível (porque o protagonista passava por rajadas de metralhadora e explosões de bombas sem se arranhar) com um documentário. Sei lá, meio doido, mas assisti até o final, sob reclamações e resmungos do Otto. Ele que pôs o filme, que quis assistir e chegou na metade ele desistiu, achou o filme ruim, mas fiz ele assistir comigo até o fim, já tínhamos assistido tanto, não é mesmo? Mas no fim, apesar das viagens do filme, eu gostei, mas não sei se recomendaria para qualquer um não... acho que recomendaria pra Hellenzita, que é louca de pedra que nem eu!

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Hoje eu assisti

Ou melhor, ontem eu assisti.


O Dia Em Que a Terra Parou: eu estava há meses querendo assistir esse filme, mas cada hora era um motivo pra não dar certo: não deu tempo de ir no cinema, depois nunca estava disponível na locadora, depois não dava tempo de alugar, um saco. E o Otto louco pra assistir. Eu estava afim de assistir mais pelo Otto, de tanto que ele falava. Tanto que aluguei o filme sem saber do que se tratava. Achava que era um filme estilo 2012 (que não assisti, mas quero também, antes que saia do cinema), cheio de tragédias climáticas e ambientais e lararirará. O filme começou e eu vi que não tinha taaanto a ver com o que eu pensava, mas no fim eu até gostei. Tem uma dose gigantesca de brisa, umas viagens felomenais mesmo, mas gostei. Deve ter sido legal assistir no cinema, por causa do som e efeitos. E tinha um quase Mega Zord lá no filme, maior viagem (ou seria maior viagem minha?). Bom, agora que as aulas estão acabando pra todos, Otto, irmão, espero assistir mais filmes como antes, muita saudade.
PS: pra quem assistiu, quanta paciência a Helen tinha com o tal menino Jacob! Ela tinha que ser canonizada, fala sério.

domingo, 22 de novembro de 2009

A crise segundo Einstein

Não pretendemos que as coisas mudem, se sempre fazemos o mesmo.
A crise é a melhor benção que pode ocorrer com as pessoas e países,
porque a crise traz progressos. A criatividade nasce da angústia, como o
dia nasce da noite escura. É na crise que nascem as invenções, os
descobrimentos e as grandes estratégias. Quem supera a crise, supera a
si mesmo sem ficar "superado".

Quem atribui à crise seus fracassos e penúrias, violenta seu próprio
talento e respeita mais os problemas do que às soluções. A verdadeira
crise, é a crise da incompetência. O inconveniente das pessoas e dos
países é a esperança de encontrar as saídas e soluções fáceis. Sem crise
não há desafios, sem desafios, a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem
crise não há mérito.

É na crise que se aflora o melhor de cada um. Falar de crise é
promovê-la, e calar-se sobre ela é exaltar o conformismo. Em vez disso,
trabalhemos duro. Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é
a tragédia de não querer lutar para superá-la

Paulistano é chama chuva

Um grande mistério da humanidade: por que paulistano leva a chuva pra onde vai?

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O lenhador e a raposa

Essa é velha, mas sempre boa...

Antonio acordava às 6 da manhã e trabalhava o dia inteiro cortando lenha, só parando muito tarde da noite.

Ele tinha um filho lindo de poucos meses, e uma raposa, sua amiga. Por ter perdido sua mulher há pouco tempo, tratava a raposa como bicho de estimação e de sua total confiança.

Todos os dias o Antonio ia trabalhar e deixava a raposa cuidando do bebê.

Ao anoitecer, a raposa ficava feliz com a sua chegada.

Os vizinhos do lenhador alertavam que a raposa era um bicho, um animal selvagem, e, portanto não era um animal confiável, e quando sentisse fome comeria a criança.

E o Antonio dizia com grande coração, a raposa é de minha máxima confiança e jamais faria isso.

Hei!!! Jamais ela vai comer meu filho.

Um dia Antonio, exausto do trabalho e cansado desses comentários, chegou em casa e viu a raposa com sua boca totalmente ensangüentada.

O lenhador suou frio e, sem pensar duas vezes, acertou um machado na cabeça da raposa.

Desesperado, entrou correndo no quarto.

Encontrou seu filho no berço, dormindo tranqüilamente, e ao lado do berço uma cobra morta.


Moral? Ficar ouvindo as merdas que os outros tem a dizer não nos leva a lugar nenhum. Muitas vezes as pessoas falam, criticam, palpitam nas nossas vidas, nas nossas ações, nas amizades que temos, no marido que temos e não sabem realmente como é nossa vida, a relação com as pessoas que tanto criticam. Muitas vezes essas pessoas não sabem que nosso maior apoio, quem realmente está do nosso lado no dia a dia, na hora das dificuldades e problemas, é a pessoa que eles tanto criticam. Por isso não temos que dar ouvidos aos comentários maldosos e quase sempre inúteis das pessoas à nossa volta, vizinhos, familiares, colegas de serviço, não leva a nada. A gente sabe muito bem com quem anda, onde o nosso calo aperta e quando a situação nos faz mal. Eu detesto quem diz "presta atenção no fulano, abre seu olho, fica esperta". Geralmente eu fico esperta com quem me fala essas coisas...

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Gostei e postei

Era uma vez um sapo e um escorpião que estavam parados à margem de um rio.
- Você me carrega nas costas para eu poder atravessar o rio? - perguntou o escorpião ao sapo.
- De jeito nenhum. Você é a mais traiçoeira das criaturas. Se eu te ajudar, você me mata em vez de me agradecer.
- Mas se eu te picar com meu veneno - respondeu o escorpião com voz terna e doce - morro também. Me dê uma carona. Prometo ser bom, meu amigo sapo.
O sapo concordou.
Durante a travessia do rio, porém, o sapo sentiu a picada mortal do escorpião.
- Por que você fez isso, escorpião? Agora nós dois morreremos afogados! - disse o sapo.
E o escorpião simplesmente respondeu:
- Porque esta é a minha natureza, meu amigo sapo. E não posso mudá-la.

Esta pequena fábula de origem remota, sempre foi pra mim a história mais assustadora do mundo. Quais são as coisas que me amedrontam? A mentira e a traição.
Evani, minha grande amiga, sempre me diz que quem trai e mente, faz isso a vida toda. E eu sempre discordo dizendo que as pessoas podem mudar. Ela insiste: "Helô, um vampiro sempre será um vampiro". E eu contesto: "Dá pra desvampirizar".

Trecho do conto "Medo de Espelhos", de Heloisa Prieto.

domingo, 8 de novembro de 2009

Gostei

She Wolf - Shakira

YT: http://www.youtube.com/watch?v=4aEW_Z5Va5s

Desabafo de um marido


Minha esposa e eu sempre andamos de mãos dadas. Se eu soltar, ela vai às compras.
Ela tem um liquidificador elétrico, uma torradeira elétrica, e uma máquina de fazer pão elétrica. Então ela disse: ‘Nós temos muitos aparelhos, mas não temos lugar pra sentar’.
Daí, comprei pra ela uma cadeira elétrica.
Eu me casei com a ‘Sra. Certa’. Só não sabia que o primeiro nome dela era ‘Sempre’.
Já faz 18 meses que não falo com minha esposa. É que não gosto de interrompê-la. Mas tenho que admitir, a nossa última briga foi culpa minha. Ela perguntou: ‘O que tem na TV?’ E eu disse ‘Poeira’.
No começo Deus criou o mundo e descansou. Então, Ele criou o homem e descansou. Depois, criou a mulher. Desde então, nem Deus, nem o homem, nem o Mundo tiveram mais descanso.
Quando o nosso cortador de grama quebrou, minha mulher ficava sempre me dando a entender que eu deveria consertá-lo. Mas eu sempre acabava tendo outra coisa para cuidar antes, o caminhão, o carro, a pesca, sempre alguma coisa mais importante para mim. Finalmente ela pensou num jeito esperto de me convencer.
Certo dia, ao chegar em casa, encontrei-a sentada na grama alta, ocupada em podá-la com uma tesourinha de costura. Eu olhei em silêncio por um tempo, me emocionei bastante e depois entrei em casa. Em alguns minutos eu voltei com uma escova de dentes e lhe entreguei.
‘- Quando você terminar de cortar a grama,’ eu disse, ‘você pode também varrer a calçada.’ Depois disso não me lembro de mais nada. Os médicos dizem que eu voltarei a andar, mas mancarei pelo resto da vida’.
‘O casamento é uma relação entre duas pessoas na qual uma está sempre certa e a outra é o marido…’
Luís Fernando Veríssimo


Maledeta faringite!

Pois é, essa semana eu fui atingida pela querida faringite. Faringite é um nome bonito para dor de garganta. Mas que saco, doencinha de criança e pior, chata pacas! O dotô disse que devo ter pegado de alguma criança da escola, por ser viral ela deve ter ficado encubada alguns dias e nesses dias devo ter dormido mal, me alimentado mal, alguma coisa de mal, que a danada atacou. Nem me lembro a última vez que tive uma faringite na vida. Eu sou a rainha do ite, ite é comigo mesmo! Já tive amigdalite várias vezes, tenho rinite alérgica crônica, sinusite (que não ataca há séculos, graças a Deus!), tive laringite algumas vezes. Agora faringite, nem me lembro quando tive. Começou segunda, mas achei que estava com frescura. Terça acordo com febre e ínguas gigantes, dor pra engolir, dor de cabeça, um trapo. Resolvi ir ao médico, mas antes passei no trampo, achei melhor porque trabalho sabe como é, logo iam pensar que emendei o feriado, apesar de ter trabalhado domingo. Dei sinal de quase vida na escola e fui no tal famoso Servidor... só Deus mesmo. Sei lá se sou metida, se estou acostumada com convênio a vida toda, mas estranhei muito. Falam bem de lá no geral, dizem que os médicos são bons, mas que é cheio. Descobri que lá é CHEIO de verdade, quanta gente junta no mesmo lugar! Velhinhos, grávidas, narizes escorrendo, conjuntivites, cadeiras de rodas, lá é o clubinho do dedo podre, Deus do céu! Fora que achei meio burocrático todo o processo pra passar no pronto-socorro. Acho que se você chega lá morrendo, morre no caminho, porque primeiro você tem que passar num prédio e fazer a ficha de atendimento do pronto-socorro. Depois tem que ir num prédio na rua do lado pra ser atendido pelo médico. Chegando no tal prédio, subi até o andar de otorrino e perguntei pro segurança onde ficava o atendimento de pronto-socorro. Fui até o tal corredor que ele disse e fiquei esperando, esperando... com a demora, fui me informar se tinha algo de errado ou se demorava assim mesmo. Me disseram que eu tinha que entregar meu prontuário num simpático guichê lotado de pessoas, senão não seria atendida nunca. Como não conhecia o procedimento, nem resmunguei muito por ter esperado uma hora à toa. Fui pra tal fila e esperei. Fiz amizade com dois velhinhos e uma mãe, ficamos papeando, nem demorou tanto. Assim que entreguei a ficha, fui atendida por um japa doido que disse algo assim: oitudobemoquevocêtásentindo? Ahhh,dordegarganta,praengolir,ínguas,febre? Faringite! Scaflanenovalginapor5diaseatestado,qualquercoisavocêvolta! Bom, né? Fiquei uns 2 minutos com o doctor na sala. Acreditei no diagnóstico porque pesquisei no Google depois e vi que batem todos e achei melhor acreditar também, do jeito que sou doida ia procurar pêlo em ovo. Não sou hipocondríaca porque odeio remédios, mas adoro caçar doença, tudo eu acho que vou morrer, exageraaada... enfim, estou aqui me curando dessa coisa chata e resmungando por não ter podido tomar uma cerva geladinha ou uma Smirnoff Ice com esse calor bom que anda fazendo esses dias todos por conta do remédio. Até Otto me chamou pra tomar cerveja ontem por causa do calor e tive que recusar o convite, que reiva... mas faz parte. Logo estou zerada e pronta pro porre do mês, depois do porre lindo com Otto, Guiga e Valéria mês passado, huhuhuhu! E olha que eu ando comportada, não bebia de verdá há meses, quisá anos, mas desandei, afinal, ninguém é perfeito. Pra ajudar, Juju deixou uma garrafa e cachaça de avelã aqui em casa, está lá na geladeira esperando a minha cura completa, difícil missão... alguém afim de uma dose?

O tempo passa...

Nem postei nada sobre, mas o tempo voa, passa rápido demais... o negócio é mesmo aproveitar a vida! Ele fez 6 anos já... meu Deus!

Definitivamente...

Gentileza atrai gentileza!



Uma música: 22 - Lily Allen
YT: http://www.youtube.com/watch?v=tWjNFC-FinU

terça-feira, 3 de novembro de 2009

PS

Sim, o Michael Jackson era virginiano! Só podia ser, racinha característica!

"Michael Joseph Jackson (Gary, 29 de agosto de 1958Los Angeles, 25 de junho de 2009) foi um cantor, compositor, dançarino, produtor e humanitário dos Estados Unidos."



Michael Jackson na Wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Michael_Jackson

Da série "hoje eu assisti"

Nossa, assisti muuuuuuitooos filmes desde meu último post sobre filmes... assisti filmes de terror, de comédia, tantos que já esqueci de vários. Estou tanto tempo sem postar sobre filmes que aconteceram várias coisas, o Patrick Swayze morreu (eu tinha comentado sobre ele num dos meus primeiros posts), acho que o Michael Jackson também morreu nesse meio tempo de seca de posts sobre filmes. Assisti Laranja Mecânica, que eu nunca tinha assistido, só ouvido falar. Assisti o Iluminado, que ficou a desejar, porque me fizeram tanta propaganda que esse era O filme, que quando assisti, nem achei tudo isso. Mas achei bom sim. Esse post mesmo é pra falar sobre o filme do Michael Jackson, o This Is It, que está sendo tão comentado. Sábado fui com Otto assistir esse filme. Eu tava afim, mas não tava looouca pra ver o filme, sabem? Assisti e adorei, valeu cada real do ingresso (carinho por sinal, por isso que o povo não sai de casa mais). O filme fala sobre os ensaios que foram feitos para a série de 50 shows que Michael ia fazer em Londres. Detalhe: ingressos para esses 50 shows todos vendidos. Os ensaios foram gravados para arquivo pessoal de Michael e no fim as imagens foram usadas para fazer um filme mostrando como era o Michael Jackson artista, cantor, dançarino, como pessoa. O filme é muito bom, emocionante, com muita música e comentários. Você assiste o filme batendo o pézinho no chão, cantando "Smooth Criminal" ou "Thriller". É muito bom e pretendo ir de novo essa semana com mi Mamá assistir este filme, vale muuuuito a pena! Uma das melhores cenas é um dueto que o Michael faz com uma das back vocals... muito lindo! E artista megalomaníaco que era o Michael (além de perfeccioniiiista! Vou pesquisar se ele era virginiano!), os ensaios foram todos feitos num palco que lembraria o que seria usado nos shows de verdade. As roupas e maquiagens também foram usadas de acordo com o que seria usado no show. As roupas realmente era um capítulo à parte, todas muito brilhantes, várias customizadas, umas jaquetas doidas que o Michael usava com cristais e ombreiras enormes, bem 80's. Os dançarinos eram ferrados, muito bons mesmo no que faziam, as roupas lindas, tinha uma guitarrista com uma bota tão linda... Otto odiou, mas eu gostei, tão brilhante! Michael estava magro, muito magro mesmo. Com as gravações parecia que ele sabia que ia morrer. É estranho, mas quem assistiu há de concordar comigo, parece que ele sentia que ia morrer. Acho que ele estava tão debilitado mentalmente e o corpo tão magro, frágil, que a morte, até mesmo pra ele, não seria surpresa. Ele era diferente, esquisito, cheio de manias, mas ninguém pode negar, ele era um gênio, muito bom mesmo no que fazia, cantava demais e mesmo com cinquentinha, dançava muito! Uma pena que esse cara morreu, uma pena mesmo... sem hipocrisias, ele aprontou muito na vida dele, com aqueles rolos de pedofilia e tudo mais, mas vamos concordar, o céu deve estar em festa agora, o cara era genial!

Uma das melhores do Michael: Billie Jean

YT: http://www.youtube.com/watch?v=En-cHBv7UpA&feature=channel

domingo, 1 de novembro de 2009

Frase do dia

Essa eu vi na exposição do Pequeno Príncipe, que tá rolando na Oca e vale muuuuito a pena a visita!

"A coragem é apenas a soma de um pouco de raiva, um pouco de vaidade, muita teimosia e um prazer desportivo banal."

Frase de Antoine de Saint-Exupéry



Uma foto do dia na exposição, pra registrar!