sexta-feira, 30 de abril de 2010

Dica da semana

A dica dessa semana dura de hoje até o dia 21 de maio deste ano. Começaram hoje as inscrições para o vestibulinho das Etecs, escolas técnicas estaduais que oferecem gratuitamente cursos profissionalizantes. Os cursos tem duração média de 1 ano e meio e estão espalhados em escolas técnicas por todo o estado de São Paulo. A variedade de cursos é bem grande, entre eles temos os de Mecânica, Mecatrônica, Enfermagem, Eventos, Cozinha, Química, entre vários outros. Conheço várias pessoas que estudaram em Etecs e eu estudei em 3, indico todas, o ensino técnico de São Paulo está bem legal.

Para mais informações visite o site do Vestibulinho Etec

PS: apesar da galera do tio Serra estar no comando, votem MARINAAAAA! Não é porque estou elogiando o ensino estadual que significa que eu aprove o governo. Eu acho que o mínimo que pode ser feito pelos jovens é oferecer um ensino de qualidade, profissionalizante e GRATUITO. O ensino abre muitas portas e tira muitas pessoas da criminalidade, das más influências. Só o fato de estar com a noite ocupada já torna um jovem mais produtivo. Não sou nada fã dos tucanos =(... mas como eles governam SP há muitos anos, o mínimo que eles podem fazer é prestar um serviço com mais qualidade para os jovens, já que a educação básica estadual está cada dia mais falida. Digo por experiência, por trabalhar em uma escola estadual e ver como a educação, assim como a segurança pública e saúde estão sucateados...

O poder do fim de semana

Só de pensar que o fim de semana está cada minuto mais próximo meu humor já muda. Estou num bom humor que nem eu acredito. E pra completar amanhã não terei aula por conta do feriado, estou mais feliz ainda! Agora eu entendi o sentido verdadeiro de feriado cair no fim de semana, para livrar os pobres coitados que tem aula aos sábados! Mesmo eu TENDO que ir pra faculdade hoje para fechar minha sexta-feira com aula de sociologia até quase 11 da noite eu estou tão animada, tão feliz! Estou com planos mil, pensando até em pegar um barzinho, sair pra dançar, chamar os amigos para uma visita aqui em casa, sei lá. Se fizer calor, tô pensando em pegar meu Otto san e o pessoal do prédio e andar de carro por aí, comprar umas brejas e ficar numa praça bem gostosa jogando conversa fora e falando da vida... mais um fim de semana se aproxima cheio de oportunidades, basta a gente aproveitar pra ele ser produtivo. A última coisa que estou pensando em fazer é dormir, mas de resto, é um leque de opções. Espero poder contar no domingão a noite, depois que passar a temida música do Fantástico, que eu tive um fim de semana muito gostoso e que eu consegui tirar esses dois dias para mimar e curtir meu maridão que eu amo tanto!

Eu e meu gosto musical suspeito elegemos Rihanna - Rude Boy como a música de hoje!

Medrosa, eu?

Sim, e muito! Eu sou muito, muito medrosa. E pior que eu tenho medo de coisas muito loucas e que tem gente que não entende o por quê. Eu tenho medo de porta-giratória, de cair no vão do metrô, de barata, de avião, de sapo... mas acho que o pior medo mesmo é de dentista! Nem de vacina eu tenho tanto medo quanto de dentista... pra mim tudo no dentista é horripilante: a luz, a broca, a anestesia, a mangueirinha e até a frase "agora pode cuspir". Eu sempre choro (sim, choro) pra tomar anestesia. Depois que eu tomo a anestesia paraguaia, que nunca pega em mim por causa do nervoso, o dentista me comunica que eu tenho uma cárie, pra variar. Aí lá vai ele com a broca, barulhenta e assustadora, cavar meu dente. Eis que ele percebe que a cárie é pior do que ele imagina, oh, céus! Terá que dar outra anestesia! Que não pega, claro. Aí ele fura meu dente até deixar só a casquinha e enche de resina, para obturar. Só de pensar nesse ritual todo eu sofro. Por isso tudo faz teeeempo que não vou ao dentista, mas por causa de uma dor de dente terei que enfrentar a fera muito em breve. Adiei o quanto deu, mas agora não dá mais e estou sofrendo muito só de pensar na visita... será que vai doer muito, muito? Ai, Deus...

Adoro: Tom Novy - Your Body

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Manias e desenhos

Eu sou uma zero à esquerda para desenho, sempre fui. Nem boneco palito meu sai bonito, sempre tem algum defeito. O tanto que gosto de ler e escrever nunca se refletiu nas artes. Nunca fui muito boa em pintura, dobradura, artesanato, apesar de a vontade de fazer penduricalhos e enfeites sempre ter sido grande. Dizem que quem escreve bem, ortograficamente dizendo, usa um lado do cérebro que é incompatível com uma área relacionada à criatividade. Quem tem memória boa e decora as coisas não tem tino pra arte, resumindo. Eu sou bem daquelas que decora tudo: briga com o namorado, aquela de 1927 que ninguém lembra mais; uma aula de biologia que fala sobre as partes da célula (duvido que você lembrava que as mitocôndrias são responsáveis pela respiração celular) ou talvez a data do descobrimento da América. Eu adoro armazenar informações (in)úteis na minha cabecinha de vento, por isso não sobra espaço para ser criativa (ou relaxamento suficiente para a imaginação fluir). Tenho quase certeza que essa falta de aptidão para artes veio do meu pai. Mamis é mais prática, apesar de gostar muito de ler como eu, desenha bonitinho. Lembro que ela me ajudava muito com trabalhos da escola, inclusive um sobre dinossauros veio com um recado da professora escrito assim "Parabéns, mamãe!". Olha aí a memória inútil de novo...

Já meu pai gosta de tudo nos mínimos detalhes. Quando ele vai contar uma história você tem que sentar, porque nunca será curta. Por exemplo, a frase "João foi na padaria comprar cigarro." vai ser contada assim pelo meu pai: "Sabe o João? Aquele que foi no churrasco do Dó com a família, alto, sabe? Então, ele foi na padaria, mas no meio do caminho estava tendo uma blitz policial, nossa, a rua tava uma confusão. Ele foi andando e...". Mais ou menos isso, a parte em que ele compra o cigarro demoooora pra chegar e eu tento me controlar, porque sou igualzinha. Decoramos tudo, adoramos assistir aqueles programas interessantes, mas que no fim das contas não acrescentam nada demais em nossas vidas (tipo alguns no NatGeo), adoramos ganhar presentes nerds. Ano passado, no dia dos pais, demos pra ele uma coleção com quase trinta livros de geografia e ele amou. E eu já peguei vários emprestados com ele, eu acho que adoraria ganhar um treco desses. O dia em que confirmei minha suspeita que eu e meu pai somos esquisitos foi ano passado, quando fui levar meus pais ao aeroporto. Enquanto esperávamos o voo deles, ficamos conversando sobre várias coisas e minha mãe começou a falar do meu irmão, como ele estava dando trabalho na escola, mas que a escola não facilitava, que ele estava tendo dificuldades em biologia. E ela disse, num tom sarcástico, a seguinte coisa: "e eu vou lá saber qual é a parte da célula responsável pelo armazenamento?". Na hora veio a resposta na minha cabeça e eu e meu pai respondemos em coro, "o complexo de Golgi, ué", como se fosse a coisa mais normal do mundo saber isso depois de trocentos anos fora da escola. Minha arregalou os olhos e disse, surpresa, nossa, vocês são loucos, quem sabe uma coisa dessas...

Apesar dessa nerdisse toda que estou constatando agora e da minha falta de habilidade para o desenho, meus pais me deram uma combinação almost perfect: amo ler, escrever, decorar, estudar, mas odeio números e não consigo desenhar, mesmo querendo. Já meu brother foi feito em outro sintonia, um fool em português (mas não em inglês) e crânio em matemática, não estuda e vai bem sempre. E deve saber desenhar alguma coisa, agora que ele está fazendo um curso que tem que comprar várias réguas diferentes e pranchetas (nota-se minha falta de familiaridade com esse ramo das exatas...). Talvez nossos filhos tenham o equilíbrio perfeito e saibam de tudo um pouco.

Voltando para os desenhos... eu queria muito saber desenhar, mas não sei. Apesar disso, eu tenho uma mania antiga de desenhar em tudo o que tenho e cada época é um desenho diferente. Teve a época do cubo, do coração, da estrela. Atualmente estou na época da flor, tudo que me rodeia tem uma margarida desenhada. Meu caderno da faculdade está lotado de margaridas, as borrachas do serviço também. A carteira ganha várias florzinhas à lápis, que são apagadas depois, claro. Isso é um indicador que a aula está chata... Uma flor significa que estou no lugar e só. Muitas significa tédio. Agora, se eu não tenho mão pra desenhar, porque insisto em desenhos? E outra, quando encasqueto com um desenho, ele sai bem bonitinho. Minhas margaridas beiram à perfeição, delicadas, com pétalas iguais, sempre cinco, com cabinho e às vezes folhinha. Acho que quando eu dicidir sossegar um pouco vou me matricular num curso de artes, quem sabe só falta um pouco de treino?



Agora que acordei, essa música pode: Shakira - Gypsy

Tem radar?

Essa é uma das perguntas que eu mais faço quando ando de carro. Tenho simplesmente pavor de tomar multa, por isso os radares me apavoram tanto. Não sei se é a dor no bolso, se é o orgulho de nunca ter tomado uma multa ou medo de levar uma multa no carro de outra pessoa, porque nunca ando em carro meu mesmo. Quando estou dirigindo evito ao máximo passar em faróis vermelhos e controlo bem a velocidade. Além de cagona para andar rápido, os radares me assombram. Se passo a velocidade, logo olho pelo retrovisor procurando um radar (e rezando para que não tenha um). Quando estou com Otto então a coisa piora. Toda hora pergunto pra ele se tem radar. Esse fds fomos visitar uma tia e Otto passou no farol amarelo. Logo perguntei "tem radar?" e ele me respondeu que não. No outro fim de semana fui viajar e peguei a estrada. Como não estou acostumada, me concentrei em várias coisas como os outros carros, as saídas certas e nem me liguei tanto nos tais radares. Depois fui saber que o caminho era lotado de radares e na volta fui caçando e perguntando para a minha co-pilota "tem radar por aí?". Enfim, que post mais louco, sobre medo de radar. Essa cidade grande está me deixando paranóica, só pode ser... mas quem sabe um dia eu não escrevo sobre meu medo de porta-giratória e de cair no vão do metrô?

Para uma quarta sonolenta (estou dormindo sentada hoje): Shakira - She Wolf

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Esse meu pequeno amor



Mais um fim de semana feliz! Te amo!

terça-feira, 20 de abril de 2010

Dica da semana

Pra você que tem cachorro e paciência, neste próximo domingo, dia 25 de abril, vai acontecer a Cãominhada Paulistana. É um evento que visa reunir donos e cachorros para um passeio pela região da USP, com pontos de hidratação para os dogs e distribuição de água para os donos. O evento vai rolar das 9 às 13 horas e vai ter uma infraestrutura bem legal, contando com médicos e veterinários, participação de ONG's, concursos, vai ser muito legal! Eu adoraria ir, porque tenho o Max e a tal paciência, mas o Max é tão briguento com outros cachorros... ele adora gente, principalmente crianças, mas lidar com outros caninos machos para ele é uma tortura, Otto acha melhor eu não ir, mas estou pensando no caso ainda. Mas fica a dica! Ah, não esqueçam de levar a coleira do seu amigo, senão não entra na Cãominhada!

Cãominhada Paulistana
Quando: dia 25 de abril, a partir das 9 horas
Onde: Avenida Escola Politécnica, em frente ao portão 2 da USP
Preço: grátis!

Será?

De uns dias pra cá estou só o pó do caqui. Febre, dor de cabeça e nas costas, garganta raspando. Calhou de acontecer isso na semana em que tomei a vacina da gripe A. Será uma reação? Hoje vou ao médico descobrir do que se trata, mas faz tempo que não fico assim, que ruim!

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Frase do dia

Hoje na escola, a Beatriz, uma aluna do primeiro ano, passou por mim e disse: "Tia, você tá MUITO linda hoje!", com um sorrisão enorme. Ganhei o dia!

Pra relaxar: Enya - Caribbean Blue

terça-feira, 13 de abril de 2010

Eu só queria saber...

O que se passa na cabeça de gente que tem um parafuso a menos. Sério, penso seriamente em fazer psicologia um dia para tentar entender um pouco a cabeça das pessoas, principalmente das com tendências a atitudes malucas. Semana passada encontrei com a Jana, uma amiga de infância aqui do prédio. Ela estuda psicologia e chegou na fase em que tem pacientes na clínica-escola. Contei algumas coisas que andam acontecendo em relação à minha vida, não a mim exatamente e ela me deu toques e explicações sobre isso. Como sou leiga no assunto, fiquei mais confusa ainda. Eu sei lá se é prepotência da minha parte, mas eu trabalho muito bem meus conflitos sozinha, mesmo que demore um pouco. Eu cogitei há um tempo atrás fazer terapia, para entender certas coisas que aconteceram e que eu pensava. Percebi que eu precisava mesmo era ter mais fé em Deus e pedir sabedoria para Ele, para clarear minhas ideias. Percebi que eu estava sendo imatura, não respeitando o espaço das pessoas que eu amo, sendo infantil e egoísta. Quando comecei a aprender a respeitar esse espaço, entender que todos, inclusive eu, tem passado e que a vida não caminha sempre do jeito que a gente quer, muita coisa mesmo melhorou. Mas aí a vida me pega de surpresa e quer que eu entenda a cabeça de uma mulher um tanto mais velha que eu, um outro bom tanto mais vivida do que eu e que, teoricamente, deveria ser mais madura e inteligente do que eu. Só que aí, sem ser pedante, percebo que meus 20 e poucos anos foram muito bem vividos, viajados, estudados e me tornaram uma pessoa melhor do que eu podia imaginar (e mais madura também).

Eu cansei de agradar os outros a troco de pinga. Eu estou vivendo a filosofia da minha mãe: se para agradar um terceiro eu tenho que me chatear, porque vou fazer isso? Agrado o próximo quando me agrada também, quando vou ficar feliz com o esforço ou com o gasto que terei para isso. Estou dura, ferrada, sem dinheiro, mas se eu vejo um tênis legal que vai ficar bonito no Américo e que não vai estourar meu orçamento, eu compro. Se eu vejo uma botinha que vai ficar linda na Ana, eu compro também, nada paga o sorriso e o desfile que ela faz depois. Antes eu não sabia dizer não. Uma pessoa pedia uma coisa estapafúrdia pra mim e eu ia lá e fazia, para agradar, talvez pra ser aceita. Isso aconteceu muito quando entrei na família do meu marido, alguns eu sentia que não gostavam de mim, então eu queria agradar. Logo a Guaciara, amada e querida por tantos sendo rejeitada em um lugar? Eu não podia lidar com isso. Fiz muito favor, muita coisa e não via retorno, me chateava, reclamava com Otto. Até que um dia eu cansei, de verdade e comecei a ser mais eu mesma, com os defeitos e qualidades que tenho. Com certeza deve ter um ou outro que torce o nariz ainda pra mim, mas prefiro ser autêntica, porque assim sou feliz. No serviço tenho poucos amigos, mas as duas amigas que tenho lá são verdadeiras. Um punhado me acha metida e quer saber? Eu ADORO isso, porque no fim eu acabo sendo admirada por não fazer média com ninguém. Sou educada, claro, dou bom dia até pras pombas, mas quer gostar de mim, goste de como eu sou. Cheguei numa idade (os meus vinte e poucos anos) que me ensinaram a ser quem eu sou e pronto. Não vou me desagradar para agradar ninguém. Mas isso não me permite desrespeitar o próximo por um simples capricho, para ceder uma loucura, um gosto meu. Pior, desrespeitar o próximo por causa de homem? Ai, ai... isso ofende meu amor próprio. Eu já sofri por amor, quem nunca sofreu? Mas foi mais um sofrimento de novela, para ter emoção na vida. Eu não sei porque, mas sempre relevei meus problemas amorosos. A primeira vez que me desesperei por um homem foi com um ano de casamento, com Otto, quando tivemos uma briga feia, antes disso era tudo coisa de cinema, de Malhação. Nunca briguei com mulher nenhuma por homem e nunca fui de dividir osso. Quando soube, com um ex rolinho, que eu estava dividindo osso, tratei de ser dividida também, oras, chumbo trocado não dói. Claro que o relacionamento acabou, mas a emoção da vingança nos meus poucos 15 anos valeu a pena. Sempre soube me colocar no meu lugar. O namoro não ia bem? Mesmo que temporariamente, eu me separava. Se um cara que eu estava afim não me dava valor, eu logo tocava o barco e ia viver minha vida. Engraçado é que depois sempre o trouxa vinha correndo atrás do prejuízo, mas uma vez esnobada, já era, se der, eu esnobo também ou ignoro mesmo. A mulher tem que se amar, se achar linda e poderosa, ninguém segura uma mulher independente (financeiramente, emocionalmente e cia). Se a mulher se ama, será amada por muitos também, poderá até escolher. Uma mulher tem que pensar que aquele homem não é o último do mundo e sim que se levar um pé desse ser, tem uma fila de pretendentes esperando por essa mulher incrível (mesmo que não tenha um só rastro de homem no caminho, eles vão aparecer!). Por isso nenhum ex meu pode reclamar de eu ser a ex chata, sem semancol. Eu sou pós, que ex que nada! A mulher que se ama chega longe, de verdade.

Adoro: Sugar Ray - Someday

Folga no meio da semana

Ah, como eu gosto de folga no meio da semana! Quebrar a semana difícil de trabalho com uma folga inesperada é tão bom! Apesar de que eu tirei essa folga para fazer algo nada legal, trabalho de faculdade. Tudo bem, dormi, descansei e me recuperei da tal vacina, que acabou com meu braço. Dormi mal porque no meio da noite eu virava de lado e deitava em cima do braço picado, o que me dava uma dor enorme e me acordava. Já tenho sono leve, imagina sentindo dor? Mas descansei, não posso reclamar. Estou lendo o texto pro meu seminário e como descansei a minha meta é ficar acordada o tanto que for preciso para terminar esse trabalho e poder estudar para a tão temida estatística da minha vida... só de pensar nessa prova está me dando dor na barriga, cada dia a prova vai se aproximando... o negócio é sorte + estudo, vamos ver se me salvo!

Pra animar o dia? Marvin Gaye and Tammi Terrell - Ain't No Mountain High Enough, quer música mais gostosa?

segunda-feira, 12 de abril de 2010

A tal vacina

Hoje tomei a vacina da Gripe A. Fui com pensamento positivo pra não ficar nervosa na hora, porque tenho pavor de injeção, quem me conhece sabe. Tinha uma fila generosa no postinho, mas até que andou rápido, o povo entrava, levantava a manga da blusa, levava picada, levava o comprovante e tchau. Entrei na salinha e quando senti aquele cheio de álcool, na hora meu braço travou, é mais forte que eu... a sorte é que a mulher que me deu a vacina era muito gentil e senti segurança nela, então nem senti a picadinha, só queimou um pouco quando o líquido entrou no braço. Sangrou, como sempre, por causa do meu nervosismo, mas logo fiquei com o braço bom. Por enquanto o braço está dolorido e me deu um mal estar que não sei dizer se é psicológico ou se é reação à gripe mesmo, isso eu vou descobrir de verdade amanhã. Sei que a vacina foi um bom pretexto para ficar quietinha na faculdade, principalmente na aula de inglês, que é uma falação só!

Ah, segue o calendário de vacinação da gripe A. Se você se encaixa em algum grupo, aproveite para se vacinar, é de graça!

Cada dia te amo mais...

Nossa, Thom, esse fim de semana foi mais que demais, não parei de falar de você um minuto hoje, todo mundo do meu serviço viu o quanto a gente se divertiu, passeou, brincou, curtiu. Cada dia te amo mais, meu anjo, mais mais mesmo!


Eu e meu pequeno amor

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Cara nova

Resolvi mudar o layout, não sei ainda se gosto, vamos testar, não custa nada, né?

Críticas e comentários são bem vindos por aqui mesmo ou por email, gracias!


Música para animar essa sexta-feira, por favor: The Cardigans - For What It's Worth (essa música é muito pé na estrada pra mim, depois eu posso explicar)

Let's Get It On

Meu irmão sempre cantou essa música e eu nunca sabia de onde ele tinha tirado isso. No carro, indo pra faculdade, ele começa "Let's Get It Onnn...". Em casa, fazendo nada, ele começa "Let's Get It Onnn...". E eu sem saber que diabo de música era essa. Ontem, voltando do médico com Otto ele solta "Let's Get It Onnn...". Na hora em que ouvi lembrei do meu brother, instantaneamente e perguntei pro Otto de onde eles tiraram essa música que meu irmão canta há anos. Ele cantou, mas na hora não identifiquei, mesmo sendo super famosa. Hoje fui trabalhar e Otto me ligou, dizendo que tinha deixado aberto o vídeo no Youtube da tal música, que dizia ele ser música estilo 'Love Songs' e de motel (experiente o raparigo). Estou ouvindo agora pela terceira vez e desacreditando em como não me lembrei que música era essa, super famosa mesmo! Agora não entendi o porque meu irmão, todo modernoso e adorador de música eletrônica e black music, conhece e gosta dessa música. Um dos comentários do vídeo é de um cara que diz que o Marvin Gaye foi responsável por muitos bebês não planejados e outro dizendo que muitos bebês foram feitos com essa música. Deve vir daí a memória do meu irmão, porque nunca nem vi ele ouvindo essa música na vida. Enfim, adoro essa música, só não estava ligando o Let's Get It On que o Gu tanto canta com ela.

Pra ouvir: Marvin Gaye - Let's Get It On

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Frase do dia

"Errar é humano, mas quando a borracha se gasta mais do que o lápis, você está positivamente exagerando."

J. Jenkins

Dica para as mamães

Aqui vai uma dica pra você que já é mamãe: a Elian, uma marca de roupas infantis, está com uma promoção bem bacana. A mamãe entra no hotsite da Elian, envia uma foto dela com os filhotes e uma frase sobre ser mãe. As fotos mais votadas ganharão prêmios! A Elian é bem legal, vira e mexe ela faz uma promoção bacanuda em que a molecada ganha muitas roupas, já inscrevi o Thomas algumas vezes e amigas minhas também fizeram o mesmo com filhos ou enteados. Eu ainda não tenho meu filhote (só o Max, mas o regulamento não permite me inscrever com ele =P), mas fica a dica para quem tem seu pequeno!

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Frase do dia

Guardar ressentimento é a mesma coisa de tomar veneno esperando que o outro morra.

Ai, ai, eu ouço, leio, ouço de novo essa frase e não aprendo! Coisa feia...


Música de hoje: Paramore - The Only Exception