quarta-feira, 29 de setembro de 2010

25 primaveras!

Há uns dias eu fiz aniversário, 25 anos. Ainda estou me acostumando à nova idade, quando me perguntam quantos anos eu tenho, respondo 24 às vezes. Achei que ia ser tão estranho chegar no tal quarto de século, mas não mudou nada, pra variar, assim como não mudou quando fiz 18. Comemorei com pessoas muito queridas, amigos de curta e longa data, familiares, foi muito bom. Esse ano dei um talento, me programei e com ajuda de amigos e família a festa foi um sucesso, não faltou nada. Sobrou tanta cerveja que vivo fazendo cervejadas em casa, com jurupinga e vodka de acompanhamento. As meninas me ajudaram, meus pais e Bruno também. Arrumamos as mesas com toalhas de TNT, pensei em pequenos detalhes (dias planejando...), fiz mesa de saladas com várias opções, meu pai fez as carnes e muitas caipirinhas, ele tava tão engraçado... ri muito com as palhaçadas dele, até no parabéns ele foi pra mesa cantar comigo e até dançou! Encontrei amigas de colégio, boadrastas, da Federal, primos, gente de tudo que era lugar, duro foi colocar a fofoca em dia com tanta gente (imagine eu recém separada, quanto assunto e perguntas que não tinham...). Queria comemorar meus 25 anos com estilo, amigos e bebidas e deu tudo certo. Espero que o niver de 30 seja tão bom quanto esse e que eu lide bem com a nova idade. Será que vai ser ruim virar balzaquiana? Isso é pra outro post e mais pra frente.




Viciada nessa música: Bizzare Contact - Here Comes The Revolution

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Hoje eu assisti

Ultimamente ando assistindo tantos filmes, adoro! Estava meio enferrujada, sem tempo e sem hábito de ir ao cinema ou alugar um DVD, mas tirei o atraso todo de uma vez nos últimos tempos. Vamos lá com a pequena maratona.


Ilha do Medo: Esse filme assisti em casa, o Bru tinha no note dele. Gostei muito, o Leonardo di Caprio atuou bem, fugindo do papel de mocinho e o final é surpreendente, você acha mil coisas durante o filme e quando vai ver não tem nada a ver com o que você achava. É mais ou menos assim: dois policiais vão a uma ilha para investigar o sumiço de uma mulher que estava presa lá. O lugar abriga uma prisão que é como um hospital psiquiátrico e a história desenrola de uma tal forma que te prende. As cenas de suspense são legais e o filme é bem sacado, fora que o cenário é bem adequado, meio sombrio, uma ilha onde o clima parece ser bem frio, um monte de gente louca reunida... recomendo!


Up - Altas Aventuras: Esse desenho foi surpreendente, sério! Fiquei apaixonada pela história, pelos personagens, muito legal e sinceramente, nada infantil. Já tinha ouvido muita coisa boa a respeito dele, muitas recomendações, mas nunca alugava, perdi a chance de assistir no cinema, enfim, não sabia muito bem nem do que se tratava (só lembrava da história do padre que sumiu com os balões...). O filme conta a história de um velhinho que fica muito rabugento depois que a esposa morre (a parte que conta a história dos dois é muito linda, até chorei!). Eles sonhavam em viajar para um lugar na América do Sul, mas a velhinha morre antes. Então o velhinho decide se aventurar sozinho, pendurando sua casa em milhares de balões... acontece que no meio da viagem ele descobre que um escoteirinho veio sem querer junto... muito bacana, recomendo muito!


A Verdade Nua e Crua: Eu sou suspeitíssima para falar de qualquer filme que tenha Katherine Heigl no elenco, ela é simplesmente demais! Já me identificava pacas com ela nos tempos de Grey's, aí virei muito fã mesmo. O filme é uma comédia romântica gostosa de assistir, engraçada, vale assistir abraçadinho embaixo das cobertas dando muita risada ou com um grupo de amigas. Típico de comédia romântica, conta a história de uma mulher perfeitinha que não arruma namorado e de um cara galinha assumido que acabam trabalhando juntos em um programa de TV. Ele a ajuda a conquistar o cara dos sonhos, ela a fixar o espaço dele na TV. Resultado: confusões mil, claro! Filme bom*



Amor a Distância: Esse foi para tirar meu atraso de cinema, a coisa tava feia, uns 3 ou 4 meses sem ver a cor da pipoca do Cinemark... convenci Bru a assistir essa comédia romântica ao invés de Resident Evil 4 (eca, hauhaha!) e, apesar de meio parado, o filme é gostosinho de assistir e o final surpreende, não é o famoso água com açúcar esperado. Com a Drew Barrymore (que é uma fofa, adoro os filmes dela), conta a história de um casal que se conhece em Nova Iorque e se apaixona perdidamente, mas a moça está com passagem comprada para São Francisco, para terminar uma pós. Com a mudança, eles decidem namorar a distância, vivendo a saudade, o ciúme, a paixão, o amor... gostei! Mas dá pra esperar sair em DVD, viu?


Se Beber Não Case: Esse é um dos melhores filmes de comédia que assisti, dei risada do começo ao fim! É a história de quatro amigos que decidem fazer a despedida de solteiro de um deles em Las Vegas. Lá, ficam bebem todas e no dia seguinte descobrem que o noivo sumiu! Gente, é muito bom, vale muitooo a pena alugar!

E até o fim de semana provavelmente terei mais filmes para postar aqui =)

Você sabia?

De acordo com uma pesquisa da Datafolha sobre animais de estimação dos paulistanos, 52% das casas de Sampa tem animais de estimação. Bastante, né? Nem imaginava... eu faço parte dessa estatística com meu Max, meus pais com a Lua, a Dani com a Lilika e a Tekila e vários vizinhos do condomínio tem pets, a maioria cachorros. Já tive gatos e os adoro, mas cachorro é realmente tudo de bom! Dá um trabalho que só, são amorosos, apegados, precisam passear, gostam demais de carinho e o meu Max adora pular, falar e lamber que só.

Outros dados da pesquisa:

37% das casas tem cachorro
8% tem só gato
6% tem só pássaro
1% tem só tartaruga
1% tem só peixes
1% deram outra resposta

40% dos que moram em casa e 20% dos que moram em apartamento tem cachorro.

As raças mais comuns nas casas:
15% - vira-lata
9% - poodle
4% - pinscher
3% - pitbull
2% - pastor-alemão
2% - cocker
2% - rottweiler
1% - labrador
1% - dachshund
1% - boxer
1% - fox paulistinha
1% - pequinês
1% - basset
1% - outras raças

Bacana, né? E viva os vira-latas, melhor raça do mundo!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

E a vida segue

Certa vez eu vi uma frase: "a vida é muito curta pra ser vivida mais ou menos". Na época não dei atenção, afinal eu tinha a vida "perfeita", família, amigos, uma casa, um emprego... um tempo depois eu percebi que eu estava bem enganada e sim, estava vivendo uma vida mais ou menos. Parei para pensar, pra que isso? A gente tem que pensar que se nosso emprego não está bom, temos que procurar outro. Se no amor não estamos bem, pense se não está perdendo tempo ao lado de alguém que não te merece, que está ocupando o lugar de uma pessoa que poderia estar sendo muito mais bacana para você. Não gosta de onde mora? Economize, estude a possibilidade de mudar de casa, de bairro, para um lugar que lhe agrade mais. Mas chega, pare de viver na mesmisse, procure sua felicidade. Aquela velha frase faz muito sentido, o segredo não é correr atrás das borboletas e sim cuidar do seu jardim para que elas venham por conta própria. Viver não é fácil, mas se a gente pode descomplicar, fazer coisas boas acontecerem, se a gente pode correr atrás da nossa felicidade, mãos à obra! O negócio é mesmo ser feliz!

Música que me lembra você: O Rappa - Mar de Gente

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

A Federal

Taí um lugar que eu amo e me deixa louca ao mesmo tempo. Adoro ir pra lá, ver os amigos, as aulas são boas, os professores melhores ainda, mas... ando doida com tantas matérias novas, trabalhos, provas, seminários... hoje mesmo terei um seminário sobre o ciclo do oxigênio e carbono. Diz pra mim, para quê um turismólogo precisa MESMO saber disso? É cultura, ok, conhecimento nunca é demais, mas isso me deixa louca de pedra. Esses tempos estou rebelde, dou umas escapulidas da aula para fumar ou paquerar com a Bruna pelos corredores (trocar olhares e risadas, porque acho ridículo fazer isso, hauhuahua!), andei chegando atrasada, estou tendo sérias dificuldades em Economia... tenho trabalhos de planejamento para fazer, livros difíceis para ler. Me disseram que entrar na Federal era fácil, difícil era terminar o curso e estou começando a achar que é verdade. Meus amigos de lá fazem toda a diferença. O Val é maduro e tem uma cabeça muito boa pra conversar, principalmente quando o assunto é amor. O Jhonnie é do tipo intelectual, temos altas brigas, mas a gente se ama mesmo assim. Cássio é o metaleiro cheio de histórias pra contar (já morou no Japão por anos) e conselheiro amoroso (palpita sobre os casos e caras). Zuim é o ácido da turma, irônico de um jeito que eu adoro, fala boas verdades sobre como os homens pensam. Quando trazemos dúvidas pra ele de como agir, o que será que o cara está pensando, lá vem ele com sua resposta sem sorriso e sincera. Parece frio, mas é honesto e claro, muito amigo. Minha fiel companheira é a Bru, doida que nem eu, anda na minha cola e juntas fazemos umas boas besteiras, teremos muita história pra contar da Federal juntas. Essa galera me faz ter muito mais pique de ir pra aula, são uns amores e me fazem rir demais, é muito bom poder contar com eles. Duro é sobreviver aos trabalhos, parte complicada... mas eu termino essa faku, de um jeito ou de outro, ou não me chamo Guaciara!

Um bom som: Shocking Blue - Venus