domingo, 29 de junho de 2014

Festa Infantil - Copa do Mundo

Tudo a ver com a época do ano, para os meninos (e porque não meninas!) que adoram a Copa! Eu adoro festinha com tema de futebol. Espero que Arthur goste de fut para fazermos a festa do São Paulo, do Botafogo e da Copa (quem sabe o tema Copa não renda umas duas festinhas, rs?).






































Créditos de imagem: Google Images

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Terror noturno

Eu não conhecia o terror noturno até mesmo depois de ser mãe, nunca nem tinha ouvido falar. Quando Arthur tinha quase dois anos, ele acordou uma noite gritando demais, parecia acordado, se debatia, falava coisas enroladas, parecia que estava possuído, foi desesperador. Ficamos apavorados achando que ele tinha tido um pesadelo ou que estava com alguma dor, ele não respondia nossos chamados e nos batia se chegávamos perto dele. Demorou um tempo e ele teve novamente outro episódio desse. Uma vez ele resolveu fazer isso na casa da minha sogra, pra que... apavorou todo mundo, minha sogra ficou super assustada e disse que nunca tinha visto nada como aquilo. Se ela que é mais velha, mãe e pediatra estava assustada, imagina eu? Conversando com o pediatra, outras amigas mães e pesquisando pela internet, descobri o terror noturno e me acalmei um pouco. Estava prestes a levá-lo ao neurologista por causa disso e tentar uma consulta no Instituto do Sono, foi uma fase muito ruim, já que os episódios aconteciam com certa frequência. No fim as coisas se acertaram, eu me informei e me acalmei e os episódios de terror noturno rarearam muito, esse ano mesmo eu me lembro de apenas uma vez que aconteceu e foi bem rapidinho. Claro que não é uma situação agradável e não desejo para mãe nenhuma, porque assusta, incomoda, nos deixa de mãos atadas... mas se acontecer com você, não tem muito o que fazer: o segredo é, por mais difícil que seja, manter a calma e esperar o "ataque" passar. A criança está em um tipo de transe, está como sonâmbula, então deixe-a gritar, espernear que logo vai passar. Claro, se seu filho tiver muitos episódios, estiver dormindo muito mal, estiver atrapalhando a qualidade de vida e saúde da criança, vale investigar, ok? ;-)

A seguir, um pouco sobre terror noturno numa reportagem do site Bebê.com.br.

O que é o terror noturno?
É uma atividade anormal do sono. Ele faz parte de uma categoria de manifestações noturnas conhecida por parassonia. Falar e andar dormindo também são formas de parassonia. O terror noturno é bastante frequente em crianças, principalmente entre os 2 e os 5 anos de idade. Na fase pré-escolar, ele chega a atingir metade da população infantil, segundo estatísticas internacionais.

O que acontece com a criança na hora da crise?
Depende da idade. Os bebês de colo simplesmente acordam chorando no meio da madrugada. Já as crianças mais velhas também costumam gritar ou emitir sons sem nexo. Muitas vezes, os pais se deparam com o filho sentado na cama e de olhos abertos. E o que assusta é que a criança não reconhece ninguém e não para de chorar ou gritar. É uma cena realmente impressionante... Sim, os pais ficam muito assustados... Mas, apesar de causar espanto, o terror noturno é uma manifestação benigna, ou seja, não representa risco para a saúde ou o desenvolvimento da criança. O estado de transe dura até 15 minutos e depois a criança retoma o sono normal.

Qual é a diferença entre terror noturno e pesadelo?
Os sonhos acontecem durante o chamado sono R.E.M., ou rapid eye movement (movimento rápido dos olhos), que se dá no fim da madrugada. Já o terror noturno ocorre na primeira metade da noite, quando a pessoa ainda não atingiu o sono R.E.M. Muitas crianças acordam depois de um pesadelo. No caso do terror noturno, a criança dificilmente acorda por conta própria. Além disso, as pessoas se lembram dos sonhos ou pesadelos que tiveram, enquanto os que apresentam terror noturno nunca fazem ideia do que se passou durante a noite.

O que explica o terror noturno?
A hipótese mais aceita é a de que o terror noturno tem a ver com o desenvolvimento do sistema nervoso central. É como se o cérebro ainda não estivesse suficientemente maduro para realizar a transição entre o sono e o despertar. Por isso, a criança fica em um “limbo” entre o dormir e o acordar. Em geral, pais que falam à noite ou são sonâmbulos têm filhos com terror noturno.

Como se comportar diante desse tipo de manifestação?
A primeira orientação é jamais tentar acordar a criança. Isso só vai fazer com que os eventos se tornem mais frequentes e prolongados. O ideal é não intervir e deixar que o momento de transe passe naturalmente e o pequeno volte a dormir. Só é preciso cuidado com as crianças que também caminham adormecidas. Nesse caso, não deve haver obstáculos ou objetos pontiagudos no quarto. O acesso a escadas e janelas também deve ser obstruído. Basicamente, a ordem é tomar medidas para evitar acidentes.

O terror noturno acontece com que frequencia?
Varia bastante. Uma criança pode ter dois eventos em uma semana e ficar um mês sem manifestar o problema. Outra pode ter episódio a cada dez dias. Não dá para precisar.

Existem situações que favorecem as crises?
É muito importante manter uma rotina adequada de sono para crianças com terror noturno. Isso significa dormir cedo e no horário e reduzir a agitação antes do sono. Quando a criança chega agitada de passeios e festas, o risco de apresentar eventos de terror noturno aumenta.

Problemas emocionais podem precipitar o terror noturno?
Sim, mas não é a regra. Diante de crises familiares, escola nova, chegada de um irmãozinho ou outras mudanças importantes em sua vida, as crianças têm mais chances de sonhar do que de apresentar terror noturno.

Há casos considerados graves?
Sim, porém são bastante raros. Existem crianças que tem dois ou três episódios por noite e passam a apresentar sintomas de privação de sono. Durante o dia, elas têm febre, sonolência e irritação. Também ficam mais vulneráveis a doenças. Nesse caso, é preciso procurar ajuda.

Existe cura para o terror noturno?
Não existe um tratamento específico, mas o terror noturno normalmente cessa quando a criança atinge a adolescência. Às vezes, o problema desaparece antes.


quarta-feira, 25 de junho de 2014

Cheiro de festa do ar...

Eu AMO festas!

Para mim tudo é motivo para festa: aniversário, chá de bebê, nascimentos, passar de ano, acabar uma faculdade, casamento, se der para comemorar estou dentro! Depois que tive o Arthur, fiz questão de comemorar todos os aniversário dele da melhor maneira possível (ao bolso e ao tempo).

No aniversário de um aninho, fiz um bolinho para ele na escola, para comemorar com os amiguinhos. O tema foi Galinha Pintadinha, mas foi só um bolinho com doces e salgados, uma toalha da Galinha e lembrancinhas no tema. Depois fizemos uma festa bem gostosa para amigos e familiares.

No de dois eu exagerei: festa na escolinha, mas dessa vez coletiva (com os outros aniversariantes do mês) e o tema foi Backyardigans. Foi uma mistureba danada, teve Pequena Sereia e Patati Patatá também, mas ele adorou a farra mesmo assim! Também fizemos um bolinho em casa com o tema Patati Patatá e depois fizemos uma festa linda da Popó, Arthur ficou tão feliz!

Agora os três aninhos chegaram. A festa coletiva na escolinha ainda não aconteceu e não fizemos bolinho em casa porque no dia do aniversário dele tivemos um lindo casamento para ir. Aproveitamos para almoçar num restaurante que adoramos e Arthur brincou muito na brinquedoteca com os amiguinhos que fez.

Estou toda animada, a festinha dele está chegando e estou a mil por hora com os preparativos. Dessa vez os amiguinhos da escola foram chamados, será que virão? Estou ansiosa! Tivemos uns probleminhas com o maldito buffet que serviria os comes e bebes da festa, ainda bem que resolvi tudo antes da "maravilhosa e responsável" dona do buffet dar mancada no nosso evento! Mesmo assim, as coisas se acertaram e tudo está praticamente ok para a festa.

Aqui no serviço venho aproveitando as horas de sossego e almoço para fazer coisas para a festa. Como os alunos estão de férias, estou fazendo algumas coisas, está ficando tudo tão lindo! Estou apaixonada! Hoje cedo arrumei as sacolas que irão para o salão, tudo lindo, decoradinho, espero que Arthur goste porque eu estou amando!


 Trabalho rendendo até no serviço, rs



Depois que Arthur nasceu eu parei de comemorar meus aniversários com festona, como eu fazia quase todo ano. Ano que vem entro nos 30 e pretendo fazer um churrasco para comemorar, vamos ver se dá certo? Mas antes do meu trintão, terei algumas festinhas para organizar, aguardem =)

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Descobrindo o sexo do bebê

Antigamente as mulheres não tinham acesso a muita tecnologia e apoio médico durante suas gestações. Ultrassons ficaram populares há pouco tempo e muitas mamães só sabiam se tinham tido um menininho ou uma menininha na hora do parto. Hoje em dia algumas mulheres até curtem esse ar de mistério e querem saber o sexo do bebê apenas no parto. Eu, Maria Curiosa, não tenho condição de uma coisa dessas não, rs. Na gravidez do Arthur eu soube que era menino por meio de um ultrassom às 16 semanas. Na próxima gravidez pretendo saber por meio de ultrassom de novo, uma porque essa curiosidade é gostosa, dois meses recebendo palpites e tentando sentir quem vem aí. Outra porque a sexagem fetal ainda é cara, custa por volta de 300 reais! Bom, agora que dei minha introdução, vou postar sobre os meios para descobrir o sexo do bebê que peguei no site do Mundo Ovo (estou apaixonada por esse site!). Que saudade de ter um RN em casa =P


- Teste de sangue (sexagem fetal): há quase uma década se descobriu que uma pequena quantidade de DNA do feto passa para o sangue da mãe, sendo assim, realizando um simples exame de sangue conseguimos descobrir o sexo do bebê. O exame busca a presença do cromossomo “Y”. Quando ele é encontrado, indica que é um menino, a ausência dele siginifica que vem uma menina. Atenção: no caso de gêmeos idênticos e univitelinos, o resultado vale para os dois fetos. Já os gêmeos fraternos e os bivitelinos, o resultado “Y” significa que ao menos um dos gêmeos será menino. Se o resultado der ausência de cromossomo “Y” pode-se dizer que ambas são meninas. 

Quando fazer: Este teste só poderá ser realizado a partir de 8 semanas completas de gestação.


- Ultrassom: é um exame de imagem. O médico terá que, literalmente, visualizar o bebê e as características de cada sexo. Acredito que seja o exame mais comum para se descobrir o sexo do bebê. O lado ruim é que precisamos esperar pelo menos 15 semanas para ter certeza, as vezes mais. Em muitos casos, o ultrassom acaba sendo também a confirmação de exames ou simpatias realizados anteriormente. 

Quando fazer: Com 15 semanas alguns médicos já conseguem dizer com alguma certeza qual o sexo do bebê.


- Teste de urina: bem parecido com o teste para saber se está grávida. Deve-se coletar uma amostra da sua urina, sem necessariamente ser a primeira da manhã. A análise é a da reação dos hormônios presentes na urina com os produtos contidos no teste. Após dez minutos, haverá uma mudança na coloração. A variação de tons de azul significa que você terá um menino, se os tons forem alaranjados, uma menina.

Quando fazer: Você deve fazer com dez semanas de gravidez completas. Siga as instruções do fabricante.



sábado, 21 de junho de 2014

3 anos de Arthur!

Como passou rápido!

Três anos de tantas alegrias, tantos desafios! Há 3 anos e 37 semanas atrás, rs, eu ficava grávida do meu príncipe. Foi assustador no começo, mas como todos sempre dizem, no fim deu tudo mais que certo! Desde a barriga Arthur começou a me ensinar muito. Esse menininho me ensinou a priorizar meu tempo, valorizar as pessoas certas e a me afastar das erradas. Me ensinou que dinheiro é importante, mas não é tudo e nada paga poder estar presente em sua vidinha linda, levá-lo ao médico, passear, brincar com ele. Ao mesmo tempo, me ensinou que devo sim me esforçar e batalhar para continuar crescendo profissionalmente, porque dinheiro pode não ser tudo, mas é com ele que ofereceremos uma boa educação e uma qualidade de vida legal para o Arthur.

Arthur também em amadureceu demais e aquele ditado que só entenderemos nossa mãe depois de virarmos mãe nunca foi tão correto. Eu e minha mãe nunca fomos tão unidas e amigas na vida. Ela é meu braço direito (tanto que tatuei seu nome no meu braço direito) e é a pessoa que mais ajuda com o Arthur. Ela é amorosa e uma avó muito coruja mesmo, paparica, liga para perguntar como está, o vê todos os dias. A recíproca é verdadeira, Arthur tem verdadeira paixão pela avó!

Agora que está fazendo três aninhos, Arthur está uma graça, fala de tudo, solta aquelas pérolas infantis que fazem todos rir, corre e pula para todo lado, tem uma energia! Claro que as birras estão nos dando trabalho, mas tirando isso essa fase é uma delícia! Já entende o que falamos, repete tudo, escolhe os desenhos que quer ver, brinca com nossos gatos, conta como foi a escola, escolhe até a roupa que vai vestir de vez em quando. Nos surpreende com um beijo de surpresa, gosta de um cafuné nas costas e no fim da madrugada ele vive aparecendo no meu lado da cama, pedindo para tirar uma soneca com a gente. Não tem como negar, né? Ele dorme na caminha dele, mas quando o sol está nascendo ele vem ficar com a gente e é tão bom...

Está rapazinho, usa calça jeans e veste o tênis sozinho. Come muito e muito bem, adora banana, meu macaquinho! E adora arroz, às vezes pede arroz no café da manhã. E meu pai, coruja que só, faz, quem aguenta? Não cabe mais no colo e nem o pai aguenta carregá-lo por muito tempo. Está moço, mas é bebezão e às vezes pede um colo. Eu tento dar, sento e ponho ele no meu colo, mas não acho mais posição. Beirando um metro de altura, é alto e forte e eu com meus 160 cm de altura não dou conta do meu metrinho de menino, rs.

Ah, e é um menino demais de viajado! Fiz o cadastro dele no Flight Diary (site em que você cadastra os voos que já fez e todos os detalhes como horários, cia aérea, rota, é bem legal!) e ele já deu 1.4 volta ao mundo de avião! Arthur me levou para conhecer muita coisa nova. Juntos conhecemos a neve, o Uruguai, o Chile, a Disney, além de alguns lugares aqui no Brasil. Ele dá um trabalho, como toda criança, mas curte. Tiro muita foto para ele ter de recordação no futuro e espero que esse bichinho da viagem fique sempre nele, para viajarmos muito juntos ainda!

Eu me derreto por ele, ele é meu tudo, minha vida, meu menino tão sonhado! Tem defeitos? Claro, ele é humano, é birrento, tem gênio forte (com uma mãe dessa, queria o que, rs?), mas é carinhoso, um chiclete-grude, dá beijo e diz que me "mama" (me ama <3 nbsp="" p="">
Parabéns, meu filho! Três anos de alegria, só tenho a agradecer por você ter me escolhido como sua mamãe! Te amo muito, tanto que não cabe em mim!!!



quinta-feira, 19 de junho de 2014

Desperate Housewives

Depois de muitos meses, finalmente terminei de assistir Desperate! Sei que é uma série meio antiga, mas os poucos episódios picados que assistia me agradavam bastante e ficou aquela curiosidade de assistir tudo. Eu peguei o hábito de assistir séries acabadas para poder ver logo o final, porque me traumatizei com Grey’s Anatomy. Começo do zero toda vez que uma temporada recomeça... Pretendo recomeçar mais uma vez e será a quarta! Amo séries e Grey’s é uma das minhas favoritas, mas me frustro muito quando acaba uma temporada e fica aquela “?” e a curiosidade a mil!





Com a sagrada NetFlix (que amo de paixão!) eu estou assistindo várias séries e por acaso encontrei Desperate Housewives. A série se passa em uma rua no subúrbio chamada Wisteria Lane, na cidade fictícia de Fairview, onde famílias pacatas e convencionais moram em suas lindas casas. Tudo parece normal e até tedioso, até você entrar na vida das donas de casa desesperadas!

Bree Van De Kamp (Marcia Cross) é a dona-de-casa, mãe e esposa quase perfeita. Cozinha perfeitamente bem, limpa impecavelmente a casa e cuida com amor do marido Rex e dos filhos Andrew (Shawn Pyfrom) e Danielle (Joy Lauren). Gosta de cuidar de seu jardim e adora armas, sendo uma ótima atiradora.


Bree, a dona-de-casa perfeita

Susan Mayer (Teri Hatcher) é divorciada e vive com sua filha Julie (Andrea Bowen). É muito meiga e boa pessoa, mas muito desastrada em tudo, tanto nos namoros, quanto carregando uma sacola, lavando uma louça... Trabalha em casa como ilustradora de livros infantis e vive em conflito com seu ex-marido, Karl Mayer, que a trocou pela secretaria uns bons anos mais jovem.


Susan, meiga e desastrada

Lynnete Scavo (Felicity Huffman) é casada com Tom Scavo (Doug Savant) e juntos tem quatro filhos: os gêmeos Porter e Preston, Parker e a caçula Penny. São muito unidos e vivem em altos e baixos financeiros. Linnete era muito bem sucedida profissionalmente, mas abriu mão de tudo para virar dona-de-casa, função que a agrada, mas a deixa um pouco frustrada, pois gosta muito de trabalhar.


Lynette, amorosa e decidida

Gabrielle Solis (Eva Longoria) é uma ex-modelo famosa, casada com Carlos Solis (Ricardo Chavira). Foi contra sua vontade morar no subúrbio e é extremamente consumista. Superficial, aprende muito durante a série. Briga muito com seu marido por conta de sua ausência em casa e também pelo fato dele querer ser pai e ela não se imaginar mãe... É linda, elegante e vive produzida.


Gabi, sexy e engraçada

Vários personagens fazem parte da série, como a narradora Mary Alice Young (Brenda Strong). Ela era muito amiga das quatro donas de casa desesperadas, mas se suicida logo no primeiro episódio. Mesmo “morta”, ela que introduz e finaliza os episódios da série. Também aparece a Martha Ruber, a vizinha maldosa e fofoqueira; a elegante e perua Eddie Brit; o dentista Orson Hodge, que esconde terríveis segredos em conjunto com sua mãe; o jardineiro John Roland, que causa um escândalo na vizinhança; Mike Delfino (James Denton), o encanador lindo que muda para a rua... Gente, são tantos personagens no decorrer das oito temporadas que a gente até se perde! E a série é longa, conta com mais ou menos 23 episódios por temporada, dá para distrair bem, no total são 180 episódios!

Basicamente o seriado é uma novela de melhor qualidade. Acontecem coisas absurdas, uma fica com marido da outra, um mata o outro (morre gente pra caramba!), amigas se perdoam de coisas quase imperdoáveis. Eu já teria me mudado de Wisteria Lane, na boa, hahaha! Mas mesmo assim eu adorei a série, que conta o cotidiano dessa rua, focado na vida das quatro personagens principais. Meu marido não gostou, nem meu irmão, então creio que seja uma série que agrada mais mulheres, porque o pouco que minha mãe viu a deixou cheia de curiosidade para ver mais.

Como todo seriado, as primeiras temporadas são as melhores, mais leves e mais engraçadas. Tem um episódio maravilhoso na quinta temporada (13º episódio, para ser mais exata), que conta a história do faz-tudo Eli Scruggs, dá uma leveza porque não tem muito a ver com o seriado em si, mas é lindo de ver, muito emocionante. Como tem muitos episódios e muitos personagens, dá para ver a história de umas cinco famílias diferentes em um episódio só. A sétima temporada ganhou um personagem que eu adorei! Renné Perry (Vanessa Williams), amiga de Lynette, surge para dar um ar cômico na série, ela é muito engraçada, além de linda! Minha mãe me contou que ela é uma ex-miss, o que a Wikipedia pôde confirmar. A última temporada é mais pesada, com muitos problemas e dramas e foi a que menos gostei (estou tendo esse problema com Dexter também), mas finalizou o ciclo, né? Achei que muitas iam se dar mal e a gente acaba torcendo pelo final feliz dos personagens, inevitável! No fim, gostei do desfecho, feliz, mas com um pingo de tristeza...

 
Renné, despojada e independente

Bom, minha opinião final: vale a pena assistir, é leve, uma distração. Rende muitas risadas, algumas lágrimas, gostei e recomendo! E tem na NetFlix, bom, né?

terça-feira, 17 de junho de 2014

Minha opinião: Sucos “do bem” – Parte I

Dividi a parte dos sucos porque a linha tem alguns sabores diferentes. Nesse post vou comentar o que eu e minha família achamos dos sabores limonada, abacaxi com hortelã e tangerina.



Ando procurando alternativas mais saudáveis para minha família. Arthur vai para a escola e tem que levar lanchinhos todos os dias. Andei lendo reportagens e estudos sobre néctares e sucos industrializados e é tudo assustador: alguns são compostos apenas por água e açúcar! Uma caixinha de néctar de fruta (boa parte dos sucos de caixinha são néctares) contém muito açúcar, corantes e fruta mesmo quase nem tem. Como dizia minha professora da GV, tem um susto de fruta de tão pouco que é!

Como eu já tinha comentado em outro post, simpatizei com a marca logo de cara, quando experimentei o suco de laranja deles na casa da minha sogra. Gostoso e, apesar de industrializado, tenta ser fiel ao sabor natural. Na embalagem, a marca promete um produto sem conservantes e o mais natural possível.

Em São Paulo, resolvi procurar por produtos da marca e experimentamos alguns sabores. Não encontrei em canto nenhum sabores como o misto de maçã, açaí, morango e guaraná ou misto de maçã, mamão, laranja e banana, estou á procura ainda.

O suco de abacaxi com hortelã foi o que menos gostei. Como todo suco de abacaxi, tem gosto meio de passado. Além do mais, o toque de hortelã é forte e o suco fica com o gosto bem acentuado. É um suco que não agradou ninguém lá em casa e não comprei nunca mais.

O suco de tangerina é o melhor dos três. É bem saboroso, parece natural, a cor é linda, docinho com o toque de azedinho que o cítrico da tangerina dá. Como é industrializado, é um pouco forte, mas eu adoro. É bem fiel ao sabor natural da fruta e dos sucos de tangerina de caixa que já provei, é de longe o melhor.

 A limonada é gostosa, mas ainda prefiro fazer a natural mesmo. É um pouco mais ácida que a natural e vem bem adoçada, acredito que para conservar melhor o suco (que não conta com corantes nem conservantes artificiais). Como a caixa de um litro dos sucos custa em torno de R$8,00, acho bobagem gastar esse dinheiro todo sendo que fazer uma limonada em casa não leva mais do que cinco minutos, né?

A parte do boa: os sucos pequenos (de 200 ml) são uma boa opção para o lanche da meninada, por ser menos artificial do que o Kapo, Vig e outros sucos de caixinha. Custam em média R$2,00 e estão disponíveis em todos esses três sabores, então dá para variar bastante. Em casa Arthur é fã do de uva e laranja (post em breve).

Investir numa alimentação melhor para nossos pequenos é um passo de formiguinha e os resultados são colhidos lá na frente ;)

domingo, 15 de junho de 2014

Brincadeiras para o chá de bebê

Eu sou péssima para brincadeiras de chás. Há alguns anos, quando fiz um chá de cozinha, não teve brincadeira. No chá do Arthur também não fiz brincadeiras, nem Baby Bingo. Da próxima vez farei brincadeiras e algumas deste post que tirei do Mundo Ovo eu achei super bacana, olhem só!


* Se você ainda não decidiu o nome do bebê ou está fazendo um certo segredo, o Bolão do nome do bebê pode ser o pretexto para vocês anunciarem o nome escolhido. Como funciona? Você pode fazer um quadro com alguns nomes (não esqueça de incluir o nome escolhido, claro), e pedir aos convidados para, assim que chegarem, votarem no nome que acreditam ter sido o escolhido. Basta dar um papel para que cada convidado escreva seu nome e seu voto. Você também pode fazer com papéis coloridos, com cada cor representando um nome. O convidado pega um papel da cor que acredita ser o nome do bebê, escreve seu nome e coloca no pote correspondente – fica mais fácil colocar cada cor em um pote. Após a revelação do nome escolhido, os pais devem sortear um papel do pote da cor correspondente, para o convidado receber um prêmio.  



* Divertida, a brincadeira de tentar Adivinhar o sabor da papinha pronta para bebê vai gerar boas caretas. Como funciona? É preciso que a pessoa encarregada pelo chá compre papinha prontas de diversos sabores. Com os olhos vendados, os futuros pais devem tentar adivinhar o sabor de cada uma. A cada acerto, os futuros pais podem se livrar de ter que cumprir alguma prenda. Uma outra versão é envolver os convidados, colocando todo mundo para meter a colher nos pontinhos.






* Quando poderíamos imaginar e permitir que alguém pudesse ousar Medir o tamanho de nossas barrigas com uma fita métrica ou barbante? Só durante a gravidez mesmo… Como funciona? A futura mamãe deverá ficar no centro da roda e os convidados em volta. Um rolo de barbante (com uma tesoura) deve ser passado por cada convidado para que eles cortem o barbante na circunferência que acreditam ser o tamanho da barriga. Não vale medir a própria barriga nem a do amigo ao lado. Depois que todos já tiverem seus pedaços de barbante em mãos, cada um deverá envolver – ou ao menos tentar – a barriga da mamãe. Aquele que acertar ou chegar mais perto do tamanho ganha um prêmio.



Fotos não precisam ser a única forma de registrar um momento tão especial como o Chá de Bebê. Que tal montar um Ateliê de pintura e um varal improvisado no salão e pedir para cada convidado pintar ou customizar um body de bebê? Vale desenho, mensagem etc… Com certeza é uma lembrança que irá durar para toda a vida. Compre diversos bodies simples e brancos de tamanhos diferentes, caneta de tecido ou tinta de tecido e muitos pincéis. Você também pode levar recortes de tecido e feltro, cola quente, agulha e linha.  

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Sexta-feira 13

Quem acha que gato preto dá azar? Um blééé pra você que acha =P




quarta-feira, 11 de junho de 2014

Dia de cinema: Trapaça

Em mais uma sessão "papais fugindo do Arthur", rs, fomos assistir Trapaça, na sessão da meia-noite! Como é cansativo ver filme esse horário, tô ficando velha! E o filme é bem longo para ajudar, mas gostamos bastante.




O filme conta a história de um casal de estelionatários que aplica golpes no estilo pirâmide, pegando dinheiro das pessoas e prometendo multiplicar o investimento, além de vender obras de arte falsas ou roubadas. Eles são pegos em uma armação pela polícia e trocam suas liberdades por entregar outros golpistas. Baseado numa história real, relata um escândalo ocorrido na década de 70 nos EUA, em que o FBI investigava o envolvimento de políticos em esquemas de corrupção.

Achamos meio previsível, mas mesmo assim gostamos. Trapaça estava concorrendo ao Oscar e despertou nossa atenção, além de eu adorar a Jennifer Lawrence e o Bradley Cooper. Já tinha assistido um filme dobradinha com os dois, O Lado Bom da Vida (que ainda devo post) e adorei. Além dos dois, De Niro também esteve em Lado Bom e agora em Trapaça!

O filme se passa na década de 70, então a trilha sonora é maravilhosa. O filme começa com Horse With No Name, passa por Blue Moon e também conta com a dançante I Feel Love, da Donna Summer, bem disco. Se alguém se interessar, a lista com a trilha sonora completa está aqui. Tem Sinatra, David Bowie, Led Zeppelin...

Eu vi muitas críticas e também muitos elogios a esse filme... eu adorei! Recomendo, dá para rir, tem um quê de drama, os cenários, roupas, penteados, tudo é impecável, achei que valeu a pena! Como esse post está super atrasado, provavelmente esse filme está à venda ou pelo menos nas locadoras, se já não estiver no Telecine Premium. Se tiverem um tempinho, recomendo!

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Plantas não convencionais para sua salada

Eu nunca comi nenhuma delas, acredito que pela falta de conhecimento e por nunca ter topado com elas em algum mercado ou hortifruti. Já conheci pessoas que comeram Ora-pro-nóbis e adoraram, os vegetarianos costumam usar bastante. Pretendo ir atrás para experimentar algumas delas, será que encontro no Mercadão?


Chuchu-de-vento: famoso no Peru. Pode ser consumido cru, frito ou cozido. O fruto é amargo adocicado. Acompanha carnes e molhos. É uma trepadeira, então precisa de espaço. É raro Vê-lo em uma calçada.







Beldroega: boa para salada. Os talos e folha podem ser consumidos crus ou como sopas, sucos ou caldos, que ficam cremosos. Os ramos e as folhas são pequenos e podem ser encontrados em qualquer solo rico em matéria orgânica – até mesmo em terrenos baldios.






Ora-pro-nóbis: cacto com jeito de trepadeira, é popular em Minas, onde é consumido em angus, sopas, mexidos e omeletes. Encontrado em vários lugares, precisa de pouca água e sobrevive em condições extremas.





Serralha: conhecida também como chicória-brava, as folhas, quando tenras, combinam com salada verde. Comum em terrenos abandonados, próximo a muros e cercas. É uma erva resistente que não chega a 1 metro de altura.









Jacatupé: consumido na Amazônia Ocidental. As raízes podem ser comidas cruas, cozidas ou defumadas. É possível fazer polvilho das raízes para bolos e tortas. Mais difícil de encontrar, é uma trepadeira comum em cabeceiras de rios da Amazônia.






Fonte: Revista Superinteressante, nº 328, pág. 66, janeiro/2014.

sábado, 7 de junho de 2014

Não contrato fumante!

De uma pilha de currículos, sobram dois candidatos com a mesma experiência e formação. Um é fumante, o outro tem antecedentes criminais. Qual deles tem mais chances de conseguir o emprego? O fumante, certo? Não, necessariamente. Para muitos empregadores, o hábito de fumar é pior do que ter sido fichado na polícia. Foi o que revelou um estudo feito pelo Sebrae com 505 pequenas empresas. A maior restrição na hora da admissão, com cerca de 41% foi o alcoolismo. Logo atrás vieram os fumantes, com 18,2%, seguidos de pessoas com antedentes criminais, com 14,7%.

“Ninguém fala explicitamente sobre isso, mas é visível o cerco ao fumo nas empresas”, diz Luiz Panelli, da Panelli Motta, Cabrera e Associados. O assunto é delicado. As empresas não querem ver suas imagens arranhadas por acusações de discriminação, nem se envolver em questões trabalhistas, embora haja legislação no país que proíba o uso de cigarro em recintos coletivos – a menos que haja um local reservado para isso, como um fumódromo.

Companhias como a Positivo e Nokia proíbem cigarros em suas fábricas, mas afirmam que não impõe nenhuma barreira à contratação de fumantes. Se indagadas, quase todas as empresas dirão que não fazem restrição nenhuma a fumantes, mas quando participam de pesquisas, protegidas pelo sigilo, muitos empresários deixam clara aversão ao cigarro. Nada menos do que 81% dos presidentes e diretores tem restrições à contratação de fumantes, segundo pesquisa da Catho.

São raros os exemplos de companhias que estão abolindo totalmente os fumantes do ambiente de trabalho. A empresa AlfaData Solutions, localizada em São Bernardo do Campo decidiu não contratar mais fumantes. Os motivos são garantir o conforto e a saúde dos funcionários, a higiene no local de trabalho e a produtividade.

A E-Value, desenvolvedora de sites localizada em Campinas, assume o combate ao cigarro. A empresa estava recrutando programadores e colocou como pré-requisitos na internet: não fumantes, dinâmicos e que trabalham em equipe. A preferência é sempre dada para quem não tem o vício, por questões de saúde e produtividade.

O ato de acender um cigarro se tonar cada vez mais difícil no ambiente de trabalho. Na T-Systems, empresa alemã na área de TI, não há fumódromo para os funcionários. Quem quiser fumar, tem de sair do prédio.

A psicóloga e coordenadora de recrutamento da Talent Four Consulting, Tatiana Salvador, diz que o cigarro interfere na produtividade dos funcionários, afetando negativamente os resultados da companhia. Ela diz que profissionais de recrutamento não vão excluir um candidato por causa disso por ética, mas admite que tal critério pode ser usado como desempate.


Fonte: Revista Info, pág. 76, Abril/2009.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Como enfrentar a ressaca

Antes

- Coma peixe ou frango com arroz: barriga cheia atrapalha a absorção do álcool e ajuda a ficar menos bêbado. Coma peixe ou frango com arroz integral. Esse prato possui proteínas e carboidratos complexos, que demoram para ser digeridos.

- Não tome remédio: sabe aqueles remédios do tipo “um antes, outro depois”? Evite. Contém cafeína, que é estimulante e pode acabar fazendo a pessoa beber mais (eu, Guaciara, sempre tomo um depois e dá super certo!).


Durante

- Prefira bebidas claras: um estudo alemão provou que as bebidas escuras contém mais metanol (que provoca uma ressaca mais dolorosa que o álcool comum, o etanol).

 - Mas fuja do espumante: ele tem bastante álcool (10%) e gás – que faz o corpo absorver álcool 35% mais rápido. Você ficará mais bêbado e terá mais ressaca.

- Carboidrato rápido: o álcool atrapalha a produção de glicose, deixando você mal nutrido. Para compensar, coma uma batata cozida ou algo feito de farinha branca, como um salgado. Ela tem carboidratos de rápida absorção, que elevam a glicose.

- Fez xixi? Beba água: uma das causas da ressaca é a desidratação (ela faz o cérebro literalmente encolher, provocando uma dor de cabeça). Uma caipirinha de 250 ml, por exemplo, pode fazer você urinar até 1 litro. Beba um copo d’água sempre voltar do banheiro.


Depois

- Se estiver com muita dor de cabeça, pode tomar um ibuprofeno ou diporona. Evite aspirina, que irrita o estômago e analgésicos com paracetamol – combinados com álcool, sobrecarregam o fígado.

- Ande um pouco: a atividade física acelera o metabolismo – e a eliminação do álcool. Se você conseguir, dê até uma corridinha, isso fará o corpo liberar endorfina, um analgésico natural que promove o bem-estar.

- Beba um suco: de preferência, de melancia (porque contém 90% de água) com gengibre. O gengibre é a melhor pedida contra o enjoo.

- Coma um ovo cozido: ele contém cisteína, um aminoácido que ajuda o corpo a ser recuperar – porque anula o acetaldeído , um subproduto tóxico do álcool que é o principal responsável pela sensação de ressaca.


Dicas tiradas da Revista Superinteressante, nº 328, pág. 78, janeiro/2014.

terça-feira, 3 de junho de 2014

O que é placenta prévia

Apesar de ser relativamente incomum, os casos de placenta prévia ocorrem nas últimas doze semanas da gravidez e, estatisticamente, acontecem em uma a cada 200 gestações.

O posicionamento inadequado da placenta pode provocar sangramentos, afetando a oxigenação do bebê e começa a se desenvolver logo após a implantação do zigoto na parede uterina. É por meio dela que o cordão umbilical faz circular o sangue da gestante, possibilitando que os nutrientes cheguem ao feto. A placenta também tem a função de filtrar e evitar que impurezas cheguem ao bebê. Dessa maneira, é fácil notar a importância da funcionalidade e da atuação dela.

A placenta prévia pode ser marginal, parcial ou total. Na prévia total, a implantação da placenta encobre a entrada do colo do útero, impedindo que o bebê nasça de parto normal. Esses casos são mais frequentes em gestantes que já fizeram cesárea, cirurgia de mioma ou até usuárias de cocaína, segundo dados de recentes pesquisas.

A placenta marginal quase nunca causa problemas e não é contra-indicação para o parto normal. O único desconforto é que pode provocar pequenos sangramentos no início da gestação. A placenta parcial ocorre quando o crescimento do útero faz com que a placenta se afaste do colo, adquirindo uma localização normal. Em ambos os casos, caso haja sangramento durante a gravidez, o repouso é fundamental.

O diagnóstico é realizado por meio de ultra-som e análise do histórico da gestante, o diagnóstico determinará os passos que o obstetra deverá escolher. Com ele nas mãos, o médico terá condições de diferenciar a placenta prévia de um descolamento prematuro.

Fonte: Revista da Gestante, nº 20, pág

domingo, 1 de junho de 2014

Perguntas e respostas rápidas sobre maternidade

Como é diagnosticada a intolerância à lactose?

A intolerância à lactose é a incapacidade de aproveitar a lactose, ingrediente característico do leite animal e seus derivados. O diagnóstico é feito pela história clínica do pequeno paciente, por um teste terapêutico, no qual é retirada a lactose por algumas semanas, observando-se a melhora dos sintomas. Em alguns casos, o pediatra poderá solicitar um teste de tolerância à lactose.


Meu primeiro filho pegou meningite viral aos dois meses de vida. Agora que estou grávida novamente, penso que deveria receber menos visitas, quando o bebê nascer. Estou certa ou é excesso de zelo?

Evitar excessos nas visitas na maternidade é sempre importante, porque, nos primeiros dias após o parto, mãe e bebê precisam de tranquilidade até mesmo para se conhecer. Quanto aos riscos de contaminação, ele realmente existe, uma vez que as pessoas levam, em sua orofaringe, vírus e bactérias que podem atingir o bebê, caso ele possua baixa imunidade (especialmente os prematuros). Então, com certeza, quanto menos visitas no primeiro mês do bebê, melhor.


Até quando devo esterilizar os acessórios e utensílios do meu filho? Ele completa seis meses essa semana.

Essa é uma dúvida comum entre as mães. A esterilização dos objetos do bebê poderá ser feita até o sexto mês, mas cuidado na limpeza dos objetos deverá receber sempre a atenção do cuidador. Portanto, após esse período, basta lavar os utensílios e os acessórios cuidadosamente com água e sabão, lembrando de caprichar no enxague, para que não fiquem resíduos.


Posso colocar aquecedor no quarto do meu bebê? Ele tem apenas quinze dias e acho que, com a queda de temperaturas, ele pode sentir frio.

Durante o inverno os pais ficam receosos quanto às baixas temperaturas e se o filho está bem aquecido. Pode-se usar aquecedor no quarto de um bebê – mesmo que ele tenha apenas quinze dias de vida, mas é preciso lembrar que o aparelho retira a umidade do ar. Então, torna-se necessário colocar uma bacia com água, que aumenta a umidade do ambiente. Além disso, não é recomendado deixar o aparelho ligado a noite toda.


Estou no sétimo mês de gestação e percebo que minha pele está sensível e coçando em algumas regiões. O que devo fazer?

A distenção da pele pode causar lesão das fibras colágenas, o que, clinicamente, em sua fase inicial, pode ser sentida como coceira. O uso de hidratantes no corpo e a ingestão de líquidos podem ajudar a minimizar esse processo. 

Fonte: revista da gestante, nº 20, pág. 6