quinta-feira, 28 de abril de 2016

Hoje eu assisti - The Purge (Uma Noite de Crime)

Oie!

Depois de umas semanas sem postar nada de filmes, cá estou de volta com uma resenha de um filme que gostei muito, The Purge. Claro, tem na Netflix, viu gente?



The Purge é um suspense daquele que você assiste dando nó no estômago, dá até uma angústia. Eu assistia tampando o olho, rezando, falando "não vai por aí, nããão", a doida, rs!

O filme de 2013 conta com Ethan Hawke no elenco e não é recomendado para menores de 14 anos (porfa, não bote os pequenos para ver de jeito nenhum). Num futuro próximo, as leis dos Estados Unidos são revistas, por conta da superlotação dos presídios. É criada a lei do expurgo, que consiste em uma noite do ano livre para cometer crimes de qualquer natureza, em troca do restante do ano pacífico e sem violência. A família de James, um vendedor de sistema de segurança, se prepara para viver a noite de expurgo com tranquilidade, já que pretendem ficar presos em suas casas. Só que algo sai do controle e eles viram alvos de psicopatas.

Assista ao trailer de The Purge aqui!

Obrigada pela visita!

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Eu te indico ouvir - Liniker

Eu conheci o Liniker numa reportagem que vi na TV. Achei interessante aquele cara andrógino, de turbante, bigode e batom. Fui pesquisar mais, procurar músicas. E me apaixonei.

O cara é bom, soul, black music, vale ouvir. É música para dançar, para relaxar, pensar, dormir, namorar.

Comece ouvindo essa aqui que você gama, Zero.

Boa semana! =)

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Amamentando a Rafa e mordendo a língua

Antes de ser mãe, eu sempre achei esquisito aquela criança grande, que anda, mamando no peito. Aí tive o Arthur, que mamou exatos seis meses e continuei achando esquisito, afinal, o "normal", o "aceitável" é mamar até uns seis, nove meses no máximo, né? É tomar NAN, Aptamil, não?

Não.

Depois que tive o Arthur, passei a me informar mais, a ler muito e conheci o mundo da humanização. Eu não me sentia culpada, mas tinha alguma coisa lá dentro que me incomodava, como se eu tivesse perdendo alguma coisa, não sei dizer. Como se eu tivesse feito algo errado, ou pelo menos que pudesse ter feito diferente. 

Quando Arthur era bebê, já vi escolinha para por. Como eu voltaria a trabalhar quando ele estivesse prestes a completar sete meses, eu imaginei que a amamentação pararia por essa época. Na escolinha, fui informada que ele tinha que entrar mamando mamadeira, adaptado à fórmula. E achei que era a regra, né? Sempre ouvi dizer que é raridade escolinha dar leite materno para as crianças. E realmente ele foi para a escola acostumado ao Aptamil 2. E em quinze dias ele largou meu peito. Deu aquela tristezinha, claro, mas eu tinha que trabalhar e não queria meu bebê sofrendo na escola com saudade de mim ou vontade de mamar no peito. Nem cogitava tirar meu leite no serviço para estocar. 

Aí veio a Rafaela e com ela, um plano diferente. Ficaria em casa mais tempo. Tentaria amamentar mais. Retardaria a entrada da mamadeira na vida dela. E assim seguimos. Mamou até os seis meses exclusivamente e depois disso, seguimos com o peito e as comidinhas e frutas. Aí ela fez sete, oito, nove meses, um ano... e hoje seguimos firmes, 1 ano e 2 meses amamentando exclusivamente, sem outros tipos de leites. Não é fácil, não é rosa de florzinha. Mas compensa. 

Confesso que tentei dar fórmula e leites para ela depois que ela fez um ano, por dois motivos: necessidade e sossego. 

Explico: dias depois que ela fez um ano, tive uma crise renal e fui internada por três dias. Minha mãe coitada, ficou maluca com ela, que só chorava. Tirava leite no hospital, mas era um leite contaminado de remédios e que ela não poderia tomar... foi triste e sigo até hoje tentando de vez em quando dar um Ninho ou outro leite. Também queria que ela tomasse um leite para eu poder sair um pouco a noite com o maridão, confesso, rs. Mas ela não toma e até hoje saímos uma vez apenas, por 3 horas. E a Rafaela? Ficou até 3 da manhã esperando a gente voltar, mamou DOIS MINUTOS e caiu dura dormindo! 

E moral da história, mordi a língua, já que Rafa é aquela criança grande, que anda e corre, vem, pede um peito, sai correndo e por aí vai. E sem planos para desmame por enquanto. Rolou um sustinho com a história das pedras nos rins de ter que desmamar pelos remédios, mas por enquanto esse assunto está no gelo. 

E que venham mais meses!

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Festa Infantil - Transformers

Esse mês a minha sugestão de festa é no tema Transformers! Meu filho ama o "bobobi", só de falar Transformers ele já fica todo interessado! As fotos foram tiradas do Google para inspirar vocês!

























quinta-feira, 14 de abril de 2016

Como funciona o teste de farmácia para HIV?

Com um dispositivo aplicado na gengiva. 

O exame, que deve chegar ao Brasil no primeiro semestre e já existe nos EUA desde 2012, não detecta o vírus em si, mas os anticorpos específicos que atuam no combate ao HIV. Mas, assim como testes de gravidez vendidos em farmácias, o método não é 100% eficaz. Por exemplo, o OraQuick, produto mais usado nos EUA, vendido por cerca de US$ 40, tem uma taxa de cinco erros a cada mil utilizações. Ou seja, o risco é baixo, mas existe. Então, se você topar com um resultado positivo no futuro, é preciso consultar um médico e realizar um exame de sangue.

Como funciona

- O usuário deve ficar 30 minutos sem usar nenhum produto de higiene bucal. Depois, passa o dispositivo uma vez na gengiva, em cima e embaixo, para coletar o material para o teste.

- Deve-se colocar o dispositivo no tubo de testes, que analisará as substâncias e os anticorpos encontrados na gengiva.

- Espera-se entre 20 e 30 minutos.

- Se só uma linha aparecer no resultado, o usuário não tem os anticorpos que combatem o HIV (ou seja, não está infectado). Se duas linhas surgirem, ele provavelmente tem o vírus e deve consultar um médico e fazer o exame de sangue.

Nota pessoal: achei legal compartilhar essa matéria porque eu nunca tinha ouvido falar de um teste caseiro para HIV. Acho importante, porque muitas pessoas tem medo ou vergonha de irem a um médico ou laboratório pedirem para fazer um exame de sangue para testar. Pesquisei e ainda não achei o produto no Brasil. Se você tem dúvida e quer fazer um teste gratuito, rápido e sigiloso, se dirija a algum centro de referência para tratamento de DST's e aids espalhados pela cidade de São Paulo. Clique aqui para saber mais. 


Essa reportagem foi tirada da revista Mundo Estranho, edição de Março de 2016, página 34.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Parabéns, mãe!

Minha parceira, melhor amiga, companheira de todas as horas, juntas até para brigar, rs!

Eu e minha mãe temos pouco mais de 20 anos de diferença. Hoje ela é avó dos meus filhos, mas nem parece: toda jovem, arrumada, parece uma mocinha, ninguém acredita quando descobrem que ela tem netos!

A gente não se desgruda, somos pior que chiclete. Ela me acompanha pra todo lado e eu a acompanho também. Viajamos demais juntas, ela é minha maior companheira de aventuras! Topa qualquer parada, cidade grande, interior, hotel fazenda, pega avião, ônibus, carrega criança, troca fralda, encara MESMO!

Uma leva a outra ao médico, uma dá bronca na outra, vamos passear às vezes só nós duas, às vezes com a família toda. Coruja com os netos, a gente até se desentende de tanto amor que ela sente, já que acaba estragando os meus pequenos malandrinhos, rs.

Hoje que tenho meus filhos, entendo minha mãe mais do que nunca. Agradeço por tê-la tão perto, me ajudando na difícil tarefa de educar as crianças, em lidar com as diferenças no casamento, nas dificuldades da vida. Tê-la perto é ótimo também para as horas boas, como sair para tomar um simples sorvete, dar uma caminhada pelo bairro ou comemorar uma data importante.

Olha, são tantas coisas para falar que ficaria aqui dias escrevendo as qualidades dela... morro de admiração pela minha mãe e essa semana comemoramos mais um ano de vida dessa pessoa tão especial. Que a gente siga unida e sejamos aquelas velhinhas grudadas que vemos andando na rua da Mooca, mãe e filha, uma com 80 e a outra com 60, passeando, vendo vitrines, tomando cafezinho com bolo e rindo de tudo!

Parabéns, te amamos muito!

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Hoje eu Assisti - Os Esquecidos

Oie!

Em mais uma noite insone zapeando pela Netflix, resolvi assistir esse filme de 2003, Os Esquecidos, com a Julianne Moore.


Crédito de imagem para Saudade e Adeus

Na época do lançamento eu assistir e lembro de ter adorado esse filme! Nessa segunda vez e muitos anos depois assistindo, também gostei do filme, já que tinha esquecido de muitos detalhes.

O filme conta a história de Kelly Paretta, uma mãe atormentada pela morte do filho pequeno num acidente de avião. Ela frequenta um psiquiatra, que conforme as consultas avançam, a informa que ela nunca teve um filho, que ele é fruto da imaginação dela. Ela fica horrorizada, principalmente depois de descobrir que o marido também pensa da mesma forma. Ela, decidida a provar à todos que seu filho existiu, sai a procura de provas de que ela não enlouqueceu. O filme tem um toque de suspense e é meio sobrenatural.

Assista ao trailer de Os Esquecidos aqui! Infelizmente só encontrei em inglês, sem legendas =(

Obrigada pela visita!

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Receita de brigadeiro de leite ninho com Nutella no pote

Oie!

Hoje vim compartilhar com vocês uma receita super fácil e deliciosa: brigadeiro de leite ninho com Nutella no pote!

Dia desses vi na página da Dupla Gourmet lá no Facebook a mesma receita, mas com o nome de escondidinho de leite ninho com nutella e achei bem bacana esse nome também!

Para a receita você vai precisar:

- 1 lata de leite condensado
- 2 colheres (sopa) de manteiga sem sal
- 3 colheres (sopa) de leite em pó
- Nutella para rechear (eu usei sem medida, mas acho que para uma receita, umas 5 colheres dão)


Esses são os ingredientes!

Preparo:

- Misture o leite condensado, a manteiga e o leite em pó numa panela em fogo baixo até desgrudar do fundo (ponto de brigadeiro). Se preferir, faça no microondas, é bem fácil: misture o leite condensado, a manteiga e o leite em pó numa travessa plástica ou de vidro e leve de 30 em 30 segundos ao microondas, tirando para mexer. Tenha paciência porque se passar um pouco, queima tudo!

Durante o preparo: uma camada base de brigadeiro de leite ninho, mais uma camada de nutella

- Coloque numa travessa ou em potinhos metade do brigadeiro e reserve restante. Cubra com Nutella, fazendo uma camada fina, de recheio mesmo. Cubra a Nutella com o restante do brigadeiro e está pronto! Para decorar, polvilhe leite em pó por cima!


Gente, sério, fica uma delíciaaaa! É bom demais, eu amo! Espero que gostem também! =)

Olha a cara desse doce pronto... 

O resultado é uma delícia e o melhor, não se perde tempo enrolando e recheando os brigadeiros! 

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Toda mãe tem um causo pra contar

Fato!

Se você ainda não é mãe, já deve ter ouvido os causos das suas amigas mães. Já deve ter ouvido a sua mãe falar o quanto você aprontava quando era criança, de quando você amassou o dedo na porta do carro ou tacou fogo no carpete de casa. Então eu resolvi escrever esse post para lembrar, daqui uns anos, das peripécias dos meus filhos e também para anotar algumas coisas que eu fiz e que minha mãe me contou.

- uma vez, eu enfiei um feijão dentro do nariz. Meus pais conseguiram tirar, mas foi um sacrifício! E eu fiquei toda orgulhosa de ter enfiado o feijão no nariz, rs!

- enfiei uma porca de parafuso no dedo mindinho e quase arrancamos meu dedo para tirar. Foi uma esfregação de sabonete para deixar liso que só Deus! Eu tinha uns 5 anos.

- meu primo arrancou minha unha do dedão do pé passando a porta do elevador por cima do meu dedo (uiiii, doeu!). Eu tinha 8 anos.

- eu enfiei uma ninhada inteira de filhotes recém-nascidos de gatos na minha lancheira da escola e levei para casa, para criar escondido da minha mãe. Algumas horas depois ela entrou no meu quarto e era gato e cocô para todo lado! Eu tinha uns 8 anos.

Aí eu cresci e tive o Arthur. E ele fez umas coisas tipo essas:

- com um ano de idade, levou uma mordida de cachorro que nos rendeu uma madrugada no hospital, dois pontos e muitos machucados pela cabeça. A maior mordida ficou um centímetro do olho!

- com 3 anos, ele caiu do alto de um escorregador, saiu dando cambalhotas de costas pela escada. Quando ele acabou de cair, achei que tinha morrido de tão feia que foi a queda. Mas ele levantou e foi brincar, socorre!

- já pulou em piscinas umas três vezes, sendo que duas eu tive que ir de roupa e tudo pegá-lo.

- com 4 anos, levou uma picada de abelha no pé. Pisou numa abelha morta, chorou tanto que quase morri do coração de susto, haja coronárias!

- conta com uma coleção de ralados, cicatrizes nos joelhos, um dente lascado e uma mãe prestes a fazer uma ponte de safena, hahaha, guenta coração!

Aí o tempo passou mais um pouco e tive a Rafaela. E ela, com um ano, fez essas coisas aqui:

- já comeu vela

- comeu sabonete há umas semanas

- entrou na cozinha, abriu o gavetão de mantimentos, pegou um pote de leite de coco e ploft, atacou no chão! Foi caco pra todo lado! Mas sem cortes nem nada, ufa!

- já levou arranhão de gato, de leve, mas levou.

- a maior das artes até o momento foi se trancar dentro do carro e eu ter que quebrar o vidro para tirá-la de dentro! Pensa num sufoco! Isso porque tem um aninho só, tô aqui rezando e fazendo promessa para ela não aprontar mais dessas!

E é isso! Minha mãe deve ter mais milhares de histórias para contar, ainda mais que meu irmão era hiper levado! E eu espero que os meus deem uma trégua, qualquer hora caio dura com essa dupla!