quinta-feira, 30 de junho de 2016

Festa Infantil - Angry Birds

Oie!

Aproveitando a onda por causa do filme Angry Birds, segue ideias para fazer sua festinha! Até eu e meu filho ficamos com vontade de fazer uma dessas, muito lindas as ideias! Fotos tiradas do Google ;)










































segunda-feira, 27 de junho de 2016

Preocupação com P maiúsculo

Antes de ser mãe, eu nunca tive uma preocupação com P maiúsculo.

Passei uns apuros, uns sustos, senti uns frios na barriga. Mas nada que me deixasse realmente angustiada. Já me faltou grana, já tive pepino bravo para resolver, prova difícil para passar, TCC dusinferno para fazer. Mas nada que preocupasse ao ponto de me deixar dias sem dormir. 

Arthur nasceu há cinco anos e na maternidade já comecei a me preocupar. Ele nasceu quase meia noite e foi pro berçário. Eu fui pro quarto depois de me recuperar da cesária e fiquei esperando, esperando e nada dele vir pro quarto. Ligava pro berçário e diziam "calma, mãezinha, daqui quinze minutos ele vai". E não vinha. Nessa fiquei até sete da manhã esperando ele chegar, agoniada. Ele chegou, não queria que fosse mais embora do quarto. Pensava, para que deixar o bichinho no berçário se ele pode ficar comigo? Aí ele no segundo dia a noite ele começou a chorar, chorar e chorar de fome. E eu preocupada porque meu leite não descia (mesmo tendo entrado em trabalho de parto, demorou uns três dias para descer meu leite nos dois filhos). E aí me preocupei se teria leite, se saberia dar banho, se daria conta. Me preocupei com as vacinas, com o teste do pezinho, da orelhinha. Me preocupei se não seria trocado na maternidade, se ele era perfeito, se tinha todos os dedinhos, se ouvia, se enxergava, se eu seria uma boa mãe, se o carro tinha uma cadeirinha adequada e se a mesma estava amarrada direito, se o inverno seria muito rigoroso, se o aquecedor que compramos funcionaria bem, se ele estava suficientemente agasalhado, se encontraria um bom pediatra (afinal ele tinha que passar em consulta com 10 dias de vida), se, se, se.

Isso tudo na primeira semana. 

E aí ele foi crescendo. E me preocupei se a escola que escolhi seria boa pra ele, se ele se adaptaria. Se ele continuaria mamando no peito, se meu leite o sustentava. Ele levou uma mordida feia de cachorro com um ano, me senti um lixo, culpada, me preocupei se ele sararia logo, se ficaria uma cicatriz feia. Ele demorou para falar, levei no neuro, na fono, para ver se estava tudo bem.

Fiquei grávida da Rafa, segundo filho a gravidez voa! Nem me preocupei tanto, mas claro, né, me preocupei se ela era perfeita, cada ultrassom era um frio na barriga. Me preocupei com meu parto, que deu mais que certo, mas deu aquele medo de ter que fazer outra cesária, de não dar para pagar, de não ter leite. Ela nasceu, perfeita e aí veio o medo do Arthur sofrer, de não dar conta de dois filhos. Optei por me afastar do serviço por um bom tempo, e aí me preocupei se o dinheiro faria falta, se ficaria muito ociosa, triste por não trabalhar (e realmente trabalhar me fez uma falta danada, mas compensou ficar com as crianças).

Arthur está crescendo, mudou de escola e não acompanhou. Sofria por não saber, chorava. E eu, chorava junto durante a madrugada, sem conseguir dormir e pensando no que fazer para ajudar meu filho. Preocupada se ele estava bem, se estava certo o que estava fazendo, se ele era feliz. Questionando minhas atitudes, minha maternagem. Mesmo fazendo tudo com o maior amor e boa intenção possível, me sinto sempre errando, nem que seja na menor coisa... sei que preciso relaxar um pouco, não sou perfeita e estou longe disso (meus filhos comem salgadinho e papinha Nestlé, rs), mas a preocupação com eles é grande e constante. Não quero ser perfeita, mas quero eles bem e felizes e isso não é nada fácil... espero que com o tempo eu fique mais leve, mas acertando na medida do possível e que meus filhos sejam felizes! Vai ter tristeza, vai ter desafio, vai ter frustração, claro, eu sei. Mas que todos nós lidemos bem com os percalços!



Das coisas da vida de mãe...

Amo vocês!

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Feliz aniversário, meu amor!

Já se passaram cinco anos, meu filho... cinco anos! Parece que foi ontem que você nasceu, sinto até o cheiro do primeiro dia de inverno daquele 2011, um inverno que foi bem puxado e frio. 

Como você já deve saber, porque já te contei várias vezes, eu trabalhei até tarde no dia em que você nasceu. Senti uma dorzinha chata nas costas o dia todo, mas não dei importância, achei que era por causa do peso do barrigão. Como ainda faltava praticamente vinte dias para você nascer, nunca imaginei que seriam contrações! 

Fui embora, dirigindo nas pontinhas dos pés, rs e fui pra casa. Sua vovó "minha mãe" me pegou e ainda fui pra faculdade, mas não aguentei entrar porque a dor nas costas piorou. Aproveitamos para ir ao shopping e jantar FEIJOADA, apenas. No shopping a dor aumentou e percebi que você estava querendo era nascer!

Fomos para o hospital junto com o tio Gugu. Chegamos no São Luiz, vovó foi estacionar, tio entrou com a gente. Logo fui internada e em poucas horas você nasceu! Quase virando o dia, 23:40h! Nasceu grandão, mais de 3,5 kg, um meninão lindo! Fiquei tão emocionada quando te vi, parecia inacreditável, um sonho! Como eu tinha conseguido ter um bebê tão grande e lindo como você? Como minha vida ia mudar a partir daquele momento! 

Ficamos separados algumas horas depois do seu nascimento e me senti muito perdida. Não consegui dormir de tanta ansiedade! Quando te levaram pra mim, não desgrudei mais, não deixei te levarem mais para o berçário, até na minha cama do hospital você dormia comigo. Eu já te amava muito quando você estava na minha barriga, mas quando você nasceu, te amei imediatamente... não conseguia pensar mais numa vida sem você, te achei perfeito desde sempre, um bebê lindo! E depois de você, meu filho, meu coração nunca mais foi o mesmo... nunca achei que sentiria tanto amor nessa vida! Só tenho a agradecer por você ter surgido na minha vida, filho amado, depois de você dei valor à vida como nunca, quero ter saúde, viver muito para cuidar de você, te ver crescer e te amar cada dia mais!

Parabéns, meu filho querido! Que seus caminhos sejam sempre protegidos e cheios de luz e amor, que você seja o que você quiser, meu anjo, que seja feliz! Te amo muito e seu pai e sua irmã também! Obrigada por nos escolher!

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Testando - Mushroom Dijon, o novo sanduíche do Mc Donalds

Oie!

E essa semana eu resolvi experimentar o novo lanche da linha Signature do Mc Donalds, o Mushroom Dijon.



A linha signature é uma novidade na rede, com sanduíches gourmet e ingredientes diferenciados. Há alguns meses foi lançado o Club House (leia nosso post aqui), um sanduíche que eu gostei muito mesmo, com pão tipo brioche, bacon num corte mais grosso, apresentação diferente (numa caixinha aberta).

Como eu AMO cogumelos, fui animada experimentar o novo lanche, mas não gostei. 

São vários pontos positivos: a apresentação é realmente igual a foto da propaganda (tanto que eu estava sem celular na hora que experimentei e usei a foto da divulgação neste post). O pão tipo brioche é uma delícia, vem bastante cogumelos, o bacon é caprichado e também tem corte mais grosso.

Mas o único ponto negativo é a mostarda dijon. 

Mas Guaciara, se o lanche tem dijon no nome, por que a surpresa?

Porque quando o Mc vendeu um lanche com mostarda dijon há uns anos, era a dijon amarela, original, simples, que eu adoro! Mas a do Mushroom Dijon é a mostarda dijon a l'ancienne, com uns grãos de mostarda que deixam o molho muito picante e ardido, não gostei! Eu dava uma mordida no lanche e corria dar um gole de suco ou refri, porque senão queimava a boca!

Os pontos positivos são muitos, mas o único negativo foi suficiente para eu não querer comer numa segunda oportunidade, uma pena =(

Para quem gosta de cogumelos, bacon e mostarda beeeeeem picante, fica a dica, vai amar! 

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Depois que virei mãe eu nunca

- dormi uma noite toda
- ou dormi direito
- tomei banho sossegada
- parei de me preocupar (se meus filhos estão bem, felizes, saudáveis e etc)
- mais fui viciada em cigarro
- comi direito
- comi devagar
- emagreci
- amei tanto
- gritei tanto
- sorri tanto
- gastei tanto dinheiro com meus filhos
- gastei tão pouco comigo
- vi tanta importância em ter um carro
- fiquei tão cansada
- fiquei tão feliz
- chorei tanto de alegria
- chorei de preocupação
- senti mais medo de dor
- nem medo de vacina
- sofri tanto em ver alguém tão pequeno tomar uma vacina =(
- gostei tanto de festa como agora!
- tive tanto medo de morrer
- tive tão pouco tempo para estudar
- e tão pouco tempo para mim
- aprendi tanto sobre medicina e fazer curativos
- dei tanto valor ao dinheiro
- não dei tanto valor ao trabalho (controverso, mas tempo com os filhos é tudo)
- fiz tanta amizade com mulheres como agora!
- me imaginei sem minha família

Ser mãe me fez mais louca, mais paciente, mais amorosa e mais feliz, sim! Só um pouquinho cansada, rs =)