quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Cartas para Rafaela - Carta n° 1

Hoje começo uma sessão nova, Cartas Para.

Vou escrever para meus filhos inicialmente e para quem mais der na telha. Hoje começo com a Rafa, que está nesse momento ao meu lado, sentada no chão, espalhando a maior quantidade possível de lápis de cor pela sala inteira e cantarolando em "bebezês".

Hoje é segunda, essa noite você dormiu muito mal e eu também. Você deve estar num pico de crescimento ou algo do tipo, pois faz várias noites que você acorda o tempo todo para mamar. Agora mesmo estávamos deitadas, mas decidi vir pra sala e ter dar sopa, que você detonou, e um copo de leite, que você deu um gole e derrubou o restante por toda sua mesinha de comer, rs. Sei lá, a esperança é a última que morre, vai que você tem fome e por isso acorda tanto? Mas eu suponho mesmo que seja um pico e que se Deus quiser logo você vai dormir melhor novamente e acordar "só" umas duas ou três vezes durante a madrugada, rs.

Hoje acordei muito mal. Minha garganta vem doendo há muito dias, mas essa noite ela piorou bastante. Pensei que teria que ir ao médico, mas ela melhorou um pouco no decorrer do dia. Está com toda cara de amigdalite, que não tenho há muito tempo. Amigdalite, minha filha é um saco, você já teve uma vez, em março. Seu irmão pegou há umas semanas e passou pra mim. Em março ele pegou e passou pra você. Estávamos em Canela, no Rio Grande do Sul e tivemos que ir pro hospital e tudo, dava para ver as placas brancas na sua garganta, muita dó. Foi uma semana de antibiótico muito sofrida, porque você não aceita nenhum tipo de remédio sem berrar muito e vomitar. Mas deixa eu te contar uma coisa: amigdalite sara sozinha. Mas os médicos são orientados a prescrever antibiótico porque pode virar febre reumática, um troço ruim e complicado de tratar. Eu estou no time do vamos esperar sarar sozinho, porque você também vai descobrir que a mamãe odeia tomar remédios e dar remédios pra você e seu irmão. E você vai descobrir também que mamãe adora ler sobre tudo, revirar a Wikipedia e desvendar curiosidades muitas vezes inúteis.

Hoje de manhã você aprendeu a falar Arthur, Tutu. Muito fofo, até filmei. Está falante demais, falando várias coisas, entre elas mamãe, papai, vovó, auau, Arthur, Peppa, Popó, acabou, não. Te arrumei bem linda, está frio em São Paulo esses dias. Você foi pra escola toda perua, de Melissa e casaco de pelo. Por falar em escola, como você ama ir à escola, minha filha! Que esse bom hábito ande sempre com você na sua vida, estudar é importante, te torna interessante e inteligente.

Agora vou tentar te convencer a dormir. Seu irmão está desmaiado já. Seus horários estão todos enrolados, você está sentada no chão colorindo o manual do meu celular. Você abriu a caixa do celular e espalhou tudo que tinha dentro dela para todo lado, a sala está um pandemônio completo, rs! Eu dou risada porque você está se divertindo tanto, cantando hahaha, hohoho (da Baratinha) e po po po po po (da Galinha), enquanto eu estou aqui, acabada. Que energia vocês pequenos tem!

Você está com 1 ano e 7 meses, minha filha, linda e cheia de saúde. Que você cresça feliz e saudável, principalmente. Estarei sempre ao seu lado, te apoiando. Te amo, Rafa.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Mais uma primavera chegou!

Literalmente!



Mais um ano se passou, depois dos 20 o tempo passa rápido, depois dos 30 voa! Só tenho a agradecer por tudo que aconteceu nesse ano que passou: meus filhos estão crescendo saudáveis, estou conseguindo conciliar a maternidade com trabalhar, fiz novas e queridas amizades, minha afilhada cresce linda e esperta, viajei bastante, meus pais estão vivos e com saúde. Como eu disse, só agradecimentos!

Eu ganhei experiência, comecei um novo trabalho, segui em frente com o Passeiorama (se não conhece, clica lá e dá uma espiada, escrevo com todo amor!). Fiz mais três tatuagens. Descobri que tenho pedra nos rins e que dói mais que parto e que está me dando um trabalho do caramba para curar. Resolvi cuidar mais da minha saúde e quem sabe perder uns quilinhos também. Resolvi que quero sair do Brasil, mas isso ainda só é um plano.

Nesse ano minha bebê cresceu. Aprendeu a andar, já me chama de mamãe. Meu filho cresceu junto, está super esperto e super birrento, coisas da idade. Todo mundo cresceu, na verdade. Meus gatos já estão com 3, 2 e 1 anos respectivamente. Meus jabutis cresceram e descobrimos que temos um casal! Arthur os batizou certinho: cookie é a fêmea, Ninja é o macho. Fico maluca com a minha grande família, mas tudo que é bom, um grande prêmio ou algo do tipo dá um trabalho conquistar, né? Amo essa vida toda lá de casa!

Viajei bastante. Conheci o Halloween americano, levei a Rafa para conhecer o Uruguai, fomos com as crianças à Páscoa de Gramado e todos conhecemos a Califórnia. Me casei em Las Vegas (meta estipulada há cinco anos atrás e perfeitamente cumprida!) e finalmente terei uma lembrança dessa na vida, casar de noiva, véu, com minha filha de daminha e meu filho de pajem, só por eles já valeu a pena demais todo esse deslocamento!

Internei duas vezes por causa da querida pedra no rim. Descobri o que é dor com D maiúsculo, de chorar, de urrar, de achar que vai morrer. Sigo me tratando porque a danada não quer sair de mim, não, aff!

E é isso. Quero viver muito e com saúde para poder ver meus filhos crescerem, acompanhar a vida deles de pertinho, ser presente. Ver o sorriso deles, o desenvolvimento, a alegria é o maior presente! Não quero mais nada, sabe? Minha vida até aqui foi boa e plena, intensa. Sorri, brinquei, viajei, chorei, sofri, vivi! Tudo resultou na pessoa que sou hoje, sempre grata! Que venham mais sei lá, 40 anos?

Feliz aniversário pra essa véia aqui!

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Hoje eu assisti - Tallulah

E adorei!



Eu adoro a Ellen Page e esse foi o maior motivo para ter assistido Tallulah. O drama conta a história de Tallulah (Lu), que é pobre e tem seu pouco dinheiro roubado pelo namorado, que a abandona. Então ela decide ir a Nova York atrás dele e acaba chegando até a mãe dele, Margo, que a rejeita. Em busca de comida, Lu chega em um hotel e acaba virando babá por uma noite de uma bebê, que tem uma mãe muito relapsa e descuidada. Nisso, Tallulah resolve levar a bebê com ela e dizer para Margo que a criança é sua neta. 

O filme é daquele tipo que dá frio na barriga, é drama com um pouco de ação e comédia, porque rende algumas risadas com a leveza e loucura de Tallulah. É uma crítica ao lado ruim dos Estados Unidos, com sua desigualdade social e problemas familiares. 

Recomendo e facinho de assistir, tem na sagrada Netflix ;)

Assista ao trailer de Tallulah aqui!

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Hoje eu assisti - Hope

Semana passada eu tive umas madrugadas insones, Rafita ficou meio doente e eu não consegui dormir... aproveitei para tentar por em dia uns filmes na Netflix.

Obs: meu perfil na Netflix estava tão, mas tão parado, que não tinha NENHUM filme em "continuar assistindo", acreditam? E nos últimos vistos tinha só Peppa e Galinha #vidademain

Voltando!

Aí comecei a pesquisar, já que desde a última vez que vi foram lançados vários e vários filmes novos. E aí eu caí no Hope.



Hope é um filme sul coreano que conta a história de uma menina de 8 anos (que tem o mesmo nome do título) e vive uma vida humilde com seus pais. Sua mãe tem um pequeno comércio na frente da casa deles e seu pai é um metalúrgico muito trabalhador. Um dia, Hope vai para escola e é sequestrada e brutalmente estuprada e espancada por seu agressor. Ela sobrevive ao ataque, mas luta para se recuperar física e psicologicamente desse grande trauma, com ajuda de seus amorosos pais, além de lutar por uma punição para seu agressor.

Bom, nem preciso dizer que o filme é triste e pesado, né? E que eu logo me arrependi de ter assistido, mas fiquei curiosa em terminar. Não é um filme ruim, pelo contrário, é muito bom! O elenco é muito talentoso, a fotografia é interessante, mas pra gente que é mulher, que é mãe, é difícil ver um filme desse...

O que deixa mais pesado ainda é que o filme foi baseado em fatos reais, num caso de estupro que chocou a Coréia do Sul. Em 2008, a menina Nayoung (pseudônimo para proteger a identidade da vítima) foi sequestrada e estuprada enquanto ia para escola e seu agressor teve a pena atenuada por estar alcoolizado, situação que revoltou o povo sul coreano.

Então fica a minha resenha sobre o filme, gostei, mas achei muito forte! Prepare os lencinhos e o coração se for assistir.

Assista ao trailer de Hope aqui!

*Atualização: depois de receber um comentário malcriado (que não publiquei pq além de malcriado, é de perfil sem foto), faço uma correção. Eu nunca imaginei que um filme sul coreano pudesse ser bom porque eu não conhecia nada da cultura coreana, nem as pessoas próximas a mim. E no momento, só amigos e filhos de amigos que são adolescentes falam muito sobre bandas coreanas (BTS se não me engano). Mas depois de pesquisar, vi que eles são muito bons em muitas coisas, sorte de quem já deu valor faz um tempinho ;)

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Pérolas do Arthur

Dia desses estava fazendo um miojo pro Arthur. Quando acabo, pego o pacotinho de tempero e ele me pergunta:

- o que é isso?
- tempero, filho.
- pelo?
- tempero.
- pero?
- tempero, menino!
- tá bom mamãe, eu entendi que tem pero, mas o que é pero?


Segue falando que ketchup é kepchup =)


Elevador para ele é "ovulador" (e eu sempre dou muita risada pensando o que seria um ovulador!)


Segue falando que Kombi é "kongi"


Essa pérola não é falada, é "acontecida": ele pegou o barbeador elétrico do pai semana passada e tascou nos cabelos, ficou cheio de falhas! Sorte que ele é muito cabeludo e nem dá para perceber tanto...


Na nossa última viagem para os Estados Unidos, Arthur voltou com duas manias fofas: falar "oh my gods" e "hi" para todo mundo. O hi ele falava só lá, né, mas era fofo ele dar "hi" para as pessoas, pensa numa mãe coruja...


E tem mais um monte de pérolas, tenho que começar a anotar antes que esqueça tudo! Essa fase dos filhos é tão fofa... já morro de saudade, passa muito rápido! Te amo, filho!

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Setembro chegou!

Chegou o meu mês!


E que com ele venham muitas alegrias, calma e coisas boas na minha vida, ando tão cansadinha... fico toda emotiva num misto de inferno astral nas vésperas do meu aniversário. Fico crítica demais comigo, chorosa (odeio chorar!), meio perdida e cheia de dúvidas, como se o ano novo que vai começar na minha vida fosse trazer muitas mudanças e novidades. E geralmente traz, né? Teve um ano que fiz aniversário e engravidei logo em seguida. Outro que fiz aniversário mudando de casa recentemente. E por aí vai. E esse ano sinto que novidades grandiosas acontecerão, que será que me aguarda? Sei que escrevo esse post comendo uma necessária travessa de brigadeiro =P

Só sei de uma coisa: que seja lindo!